29 de dezembro de 2008

Mais um ano que termina!!!


Começo a despedir-me do ano de 2008 e vou fazê-lo assim... lentamente, ao longo de quase uma semana que é para não ter pressa.

Hoje pensei no que é a saudade.

Para mim existem dois tipos de saudade, aquela que nos remete a algo bem longe, muito longe, quase além do infinito.
É também a saudade das pessoas que já não estão mais entre nós.

A memória é matéria-prima da fábrica de saudades.

A outra saudade refere-se a um presente que ora está afastado ora mais próximo, que ainda está fresco e latente no peito.

É a saudade concreta, aquela que podemos tocar, talvez evitando que seu poder devastador consiga ferir os corações mais frágeis.
O longe parece impedir o “estar junto”, muitas pessoas podem não estar perto da gente, mas certamente estão junto, estar junto não é a mesma coisa que estar perto.

Longe ás vezes é um lugar distante dos pés, mas tão próximo do nosso coração.

Sobre saudades é interessante citar o poeta Mário Palmério que exilado no Paraguai numa certa tarde, em um dos cafés de Assunção, comentou com uma amiga que sentia muitas saudades da sua terra natal.
Essa sua amiga paraguaia fascinada com a palavra perguntou-lhe o que era saudade. Sua pergunta tinha sentido, pois a palavra saudade tem um significado na língua portuguesa não encontrado em outras línguas.

O poeta, tentando explicar a ela o significado da palavra saudade, compôs uma maravilhosa canção:
“Se queres compreender o que é saudade
Terás que antes de tudo conhecer
Sentir o que é querer, o que é ternura
E ter por bem um grande amor, viver
Então compreenderás o que é saudade
Depois de ter vivido um grande amor
Saudade é solidão, melancolia
É nostalgia, é recordar, viver”

Hoje sinto saudades dos amigos que a vida me trouxe e eu não soube amar, estrelas que guiaram meu navio através do oceano na rota que confirma meu destino.

Todos os anos vão fazer parte dos nossos longos anos em busca de paz, mas eu estou bem, eu vou indo, pois o tempo é só a poeira que fica para trás nessa estrada chamada evolução.

Feliz Ano Novo, aliás 2009 rima muito bem com feliz.



()

21 de dezembro de 2008

UM SANTO E FELIZ NATAL!!!



Que este dia possa trazer momentos de fé e de esperança.

Que possa fazer deste dia... todos os dias da sua vida.

Que a paz possa reinar... eternamente no seu coração...

Deixando que a alegria... se manifeste em todos os momentos da sua vida.


São os meus sinceros votos a todos os amigos que me visitam.
()

8 de dezembro de 2008

Acredito nas Pessoas!!!


Acredito nas pessoas.


Especialmente naquelas em que habita algo mais que a humanidade.


Aquelas que, às vezes, a gente confunde com anjos e outras entidades divinas...


Falo daquelas pessoas que existem em nossas vidas, e enchem nosso espaço


com pequenas alegrias e grandes atitudes...


Daquelas que te olham nos olhos


quando precisam ser verdadeiras,


que tecem elogios, agradecem e pedem desculpas


com a mesma simplicidade de uma criança...


Pessoas que não precisam fazer jogos


para conseguir o que buscam,


porque seus desejos são realizados


por suas ações e reações, não por seus caprichos...


Pessoas que fazem o bem e se protegem do mal,


apenas com um sorriso, uma palavra,


um beijo, um abraço, uma oração...


Pessoas que atravessam as ruas,


sem medo da luz que existe nelas,


caminham firmes e levantam a cabeça


em momentos de puro desespero...


Pessoas que erram mais do que acertam,


aprendem mais do que ensinam


e vivem mais do que sonham...


Pessoas que cuidam do seu corpo,


porque este os acompanhará até o fim.


Não ficam julgando gordos ou magros,


negros ou brancos...


Pessoas, simplesmente pessoas, que nem sempre


têm certeza de tudo, mas acreditam sempre.


Transparentes, amigas, espontâneas,


até mesmo ingênuas...


Prefiro acreditar em relacionamentos baseados


em confiança, serenidade, humildade e sinceridade...


Prefiro acreditar naqueles encontros,


que nos transmitem paz e um pouco de gratidão...


Prefiro acreditar em homens e mulheres,


que reverenciam a vida com a mesma intensidade


de um grande amor...


Que passam pela Terra e deixam suas marcas, suas lembranças,


que deixam saudades e não apenas rastros...


Homens e mulheres que habitam o perfeito universo


e a perfeita ordem nele existente...


Homens e mulheres de alma limpa


e puros de coração.




(Breno Angellis)


2 de dezembro de 2008

Um chamado na noite...


Te disse assim - tenho a alma triste.
Como um passarinho sem ninho.
Te disse também que sou terra
e me dissestes que não
que terras sois tu...



e que eu sou nuvem..
de fluidez gasosa...
quiça possa ser eterna!!


Neste domingo que se mostra
radiante...
que surge tímido nos feixes de luz da madrugada...
sejamos os dois eternos!

Mas não estava preparada
para a chamada.
Tudo pensei...
menos no telefone que tocava...
na madrugada!

E, eis que tua voz chegou
no morno silêncio da noite que é bela primavera!


Eu que busco palavras...
movimento...
cor...
som...
de repente, tremenda timidez me assola!


Eu, que tento sair do marasmo,
fugir da saudade,
que quero ser um pouco mais...
ou um pouco menos,
mesmo um detalhe,
um pássaro, sem pouso,
sem ninho, liberto,
pra voar...
voar pelo azul infinito..
calei-me...

Era um chamado na noite....
Eu nao sabia o que dizer!
Nada disse.

Nada fiz.

()



26 de novembro de 2008

Um gesto de Amor!!!




"Quanto maior a dificuldade, tanto maior é o mérito em superá-la."

(Henry Ward Beecher)


Foi um choque para aquela jovem mãe quando recebeu o diagnóstico de câncer.


Sucederam-se os tratamentos e, naquele dia, após o internamento, quando ela voltava para casa, se sentiu muito triste.


Ela estava consciente da sua aparência. Estava sem cabelos, por causa da radioterapia. Sentia-se desencorajada.


Seu marido continuaria a amá-la?


E seu filho?


Ele tinha apenas seis anos.


Quando chegou em casa, sentou-se na cozinha, pensando em como explicar a seu filho porque estava tão feia.


Ele apareceu na porta e ficou olhando-a, curioso.


Quando ela iniciou o discurso que ensaiara para ajudá-lo a entender o que via, o menino se aproximou e se aconchegou em seu colo, quietinho, a cabeça recostada em seu peito.


Ela acariciou a cabecinha do filho e disse: "você vai ver como daqui a pouco o meu cabelo vai crescer e eu vou ficar melhor, como era antes".


O menininho se levantou, olhou para ela, pensativo.


Depois, com a espontaneidade da sua infância, respondeu: "seu cabelo está diferente, mãe. Mas o seu coração está igualzinho."


A mãe não precisava mais esperar por daqui a pouco para melhorar. Com os olhos cheios de lágrimas, ela se deu conta de que já estava muito melhor.


O essencial é invisível aos olhos, dizia o pequeno príncipe, no livro de Antoine de Saint Exupéry. Quem ama vê além da aparência física e é isto que ama: a essência.


Por isto os casamentos em que o amor é o autêntico laço de união perdura, apesar dos anos transcorridos.


Para quem têm olhos de amor, o olhar penetra além do corpo físico que perdeu um tanto do vigor e já não apresenta a exuberância plástica dos verdes anos.


Para esses, o amor amadurece a cada ano, solidificando-se a cada dificuldade enfrentada, a cada óbice superado, a cada batalha vencida.


Enquanto os cabelos vão sendo prateados pelo exímio pintor chamado tempo, e a artista plástica chamada idade vai colocando pequenos sinais na face, aqui e ali, o amor mais cresce.


O sentimento se engrandece à medida que o passo deixa de ser tão vigoroso e um se apóia no outro para descer os degraus, para subir uma escadaria.


A solidariedade se torna mais intensa, enquanto a vista se embaça um pouco e o extraordinário computador que é o cérebro já não consegue fazer as corretas equações matemáticas, para aquilatar se dá ou não tempo para atravessar a rua.


Uma mão segura a outra, muda, para afirmar: esperemos um pouco.


Envelhecer ao embalo do amor é maravilhoso.


Desfrutar do aconchego um do outro é reconfortante.


Felizes os casais que envelhecem juntos. Felizes os filhos que sabem aproveitar da companhia generosa de pais e avós que o tempo alcançou.
De todos os momentos da vida os mais preciosos são os desfrutados com amor.


Quando as dificuldades se avolumam, os problemas crescem, os dias solitários chegam, é maravilhoso ter momentos de carinho para serem recordados.


Momentos que recebemos ou que ofertamos.


Momentos que nos fizeram extremamente felizes.


Momentos que, revividos, pelos fios invisíveis do pensamento, ainda nos reconfortam e aquecem o coração.


Por tudo isso, ame muito e permita-se amar por seus amores.




(Acesse o site e clique no botton)

Caso queiras leva-me contigo e divulga no teu espaço

()

21 de novembro de 2008

Leve Beijo Triste

Teimoso subi

Ao cimo de mim

E no alto rasgei

As voltas que dei

Sombra de mil sóis em glória

Cobrem todo o vale ao fundo

Dorme meu pequeno mundo

Como um barco vazio

P´las margens do rio

Desce o denso véu lilás

Desce em silêncio e paz

Manso e macio

Deixa que te leveassim tão leve

Leve e que te beije meu anjo triste

Deixo-te o meu canto canção tão breve

Brando como tu amor pediste

Não fales calei

Assim fiquei

Sombra de mil sóis cansados

Crescendo como dedos finos

A embalar nossos destinos

Deixa que te leve assim tão leve

Leve e que te beije meu anjo triste

Deixo-te o meu canto canção tão breve

Brando como tu amor pediste


Paulo Gonzo (com Lúcia Moniz)

14 de novembro de 2008

INSIGNIFICANTE...


Tudo é tão claro, tão suave,

Nenhum obstáculo ou entrave,

Mas nem por isso é fácil o caminho.

Por vezes o coração aperta, sozinho.

E o frio a alma congela.

A intuição grita e pede cautela.

Mas tenho o dom de olhar

Sempre das coisas o lado bom.

O dia é sempre azul, não marrom.

Afinal todo ponto de vista

É só a vista de um ponto.

E eu nunca fui uma derrotista.

Apesar de achares que não,

Observo-te a distancia, de pronto.

Deixo me levar pelo coração.

Vejo seu jeito de apaixonado.

Então me permito ficar de longe

Acho que a minha lucidez

Afastou a estupidez

De querer me fazer presente.

Sou apenas aquela insignificante

Em face de ti, insigne passante.

Pensando assim, sigo contente.

Indo adiante.
()

20 de outubro de 2008

O Valor de um Amigo



Mais que um presente, amigo é uma dádiva cujo valor vem embutido na essência.

Nas noites que se alongam se a alma padece, amigo é o travesseiro onde esvaziamos a consciência para quando o dia se formar podermos encontrar o alento que vive além das mazelas.

Amigo é aquele que nos estende a mão e nos conduz com segurança sobre nossos medos e incertezas ao lugar mágico onde podemos esticar o tempo, ver o invisível dentro de nossos labirintos secretos e encontrar no âmago, o discernimento justo que nos revele as saídas.

Amigo é a metade da nossa alma que mesmo em outro corpo consegue escutar o grito do nosso silêncio, enxugar a lágrima, aplacar a dor oculta.

É bálsamo, poção curativa a gotejar solidariedade sanando e aliviando nossas dores mais profundas.

O valor de um amigo não se pesa em moedas de ouro.

Por ser um bem tão valioso é protegido nas dobras do coração onde seguro segue só atrás da linha do amor.

É a liga com o nosso eu mais secreto porque o amigo consegue ver além, muito além de nós...

Pode ser que algum dia eu encontre a palavra certa para definir com justiça e precisão o valor de um amigo.

Pode ser que eu consiga traduzir esse sentimento tão valioso e saborear meu triunfo por tê-lo feito.

E pode ser que eu me convença depois que para um amigo bastava apenas um abraço...

Amizade é o tipo de amor que vale a pena porque não se deixa impregnar de submissão, vem depurado de inveja , não adula para merecer favores, não impõe vontades nem enaltece feitos.

Amigo é o braço forte que ajuda a derrotar o nosso "Leão" a cada dia ou, na impossibilidade, tomba ao nosso lado!


(AD)

8 de outubro de 2008

Tênis ou Frescobol....



Depois de muito meditar sobre o assunto, concluí que os relacionamentos são de dois tipos:

há os relacionamentos do tipo tênis e há os relacionamentos do tipo frescobol.

Os relacionamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e sempre terminam mal.

Os relacionamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.

Explico-me.

Para começar, uma afirmação de Nietzche com a qual concordo inteiramente.

Dizia ele:

"Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria capaz de conversar com prazer com essa pessoa até sua velhice?

Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar."

Xerazade sabia disso.

Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte como no filme "O Império dos Sentidos".

Por isso, quando o sexo já estava morto na cama e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.

O sultão se calava e escutava suas palavras como se fossem música.

A música dos sons ou da palavra é a sexualidade sob a forma de eternidade;

é o amor que ressuscita sempre depois de morrer.

Há os carinhos que se fazem com o corpo e os carinhos que se fazem com as palavras.

E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo:

"Eu te amo..."

Barthes advertia:

"Passada a primeira confissão, eu te amo não quer dizer mais nada".

É na conversa que nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética.

Recordo a sabedoria de Adélia Prado: "Erótica é a alma".

O tênis é um jogo feroz, seu objetivo é derrotar o adversário. E sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola.

Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do adversário e é justamente para aí que ele vai dirigir sua cortada - palavra muito sugestiva, que indica o objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.

O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado para fora de jogo.

Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.

O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola.

Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca.

Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.

Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado.

Aqui os dois ganham ou ninguém ganha.

E ninguém fica feliz quando o outro erra - pois o que se deseja é que ninguém erre.

O erro de um, no frescobol, é como uma ejaculação precoce: um acidente lamentável que não deveria ter acontecido, pois o gostoso mesmo é aquele ir e vir, ir e vir, ir e vir...

E o que errou pede desculpas e o que provocou o erro se sente culpado.

Mas não tem importância: começa-se de novo esse jogo delicioso em que ninguém marca pontos...

A bola: nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras.

Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá...

Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis.

Ficam à espera do momento certo para a cortada.

Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destrui-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão...

O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento.

Aqui quem ganha sempre perde.

Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.

O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres.

Bola vai, bola vem - cresce o amor...

Ninguém ganha para que os dois ganhem.

E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim...



(Rubem Alves)

29 de setembro de 2008







Bom dia.
Segunda-feira é sempre aquele dia, hoje foi diferente, quando li o comentário da Carlinha que dizia que era Destaque no Gospel Gifs. (AQUI)

Upsssssssssss que maravilha!!!

Obrigada Carlinha.

Agora vou ter que indicar 5 blogs para fazerem parte dessa corrente de amizade.

Mais abaixo, tem o selinho da campanha para os nomeados.

Blog's nomeados:

CASA DO SOFÁ AZUL

MENINA DOURADA

CECILIA HELENA POESIAS

FANTASIA

LOVELY & CLUMSY



(não esquece de levar o selo da campanha)

28 de setembro de 2008

Ao Tempo o Tempo!!!

aonde anda vc


Se o teu lugar agora parece-te frio e sem atrativos,
se não há ninguém agora que te inspire a falar ou a ouvir,
se o vento lá fora parece não soprar a teu favor,
se nenhuma palavra consegue agora tocar o teu coração,
se não sentes vontade de nada, se queres simplesmente fazer nada,
se as coisas da Terra parecem-te opacas e sem graça,
se as coisas do Céu agora parecem-te mentiras, histórias inventadas,
se teu corpo não quer exercícios, não quer esforços, só quer espreguiçar-se,
se agora nada desperta a tua vontade de crescer, de ir adiante, de abraçar aventuras, desafios, novas metas, sonhos ...
se para tuas perguntas não chegam respostas,
se olhas o relógio como a um inimigo cobrador,

DÁ UM TEMPO ...

O mar não espera pelo rio, no entanto o rio chega.
As árvores não anseiam por novas folhas, no entanto elas brotam.
As flores não imploram por chuvas, mas as chuvas - cedo ou tarde - caem.
Os pássaros não se preocupam com o céu, entretanto o céu lá está.
O dia não guarda ansiedade pelo descanso da noite e ainda assim ela chega.
A noite não se abala com a própria escuridão, repousando na certeza de que o dia virá.
A semente precisa do escuro da terra para abrir-se à luz na hora mais acertada.
Deus não apressa as sementes: Ele as conhece e respeita-lhes o tempo.
Se neste momento és semente, sossega, respeita-te ... e dá um tempo.



(Silvia Schmdit)

19 de setembro de 2008

Durante a nossa vida...




Durante a nossa vida:

Conhecemos pessoas que vem e que ficam,

Outras que, vem e passam.

Existem aquelas que...

Vem.. Ficam e depois de algum tempo se vão...

Mas existem aquelas que vem e se vão com uma enorme vontade de ficar...


(Charles Chaplin)

4 de setembro de 2008

MULHER APENAS!!!




Ela mal nasce, nem cabelos ainda tem,

e já lhe arranjam fitinha colorida bem colada à carequinha.

Mulher nasce prá ser mais cores entre todas as cores.

Mulher é Arco-Iris


Ela mal cresce, mal "desmama" as bonequinhas

e já sai dando colinho para os colegas da escola,

para o amiguinho tristonho,

para a mamãe carente, para o papai cansado.

Mulher é Colo


Ela adentra a adolescência,

chama a atenção dos meninos,

dos "maduros" sonhadores,

dos passageiros de ônibus, motoristas,

cobradores e até do irmão mais velho!

Mulher é Tentação

Quando já passa dos 20, quantas histórias já conta!

Já teve amor malogrado, já teve o primeiro beijo,

o primeiro namorado, despedidas, desencontros,

alegrias inesquecíveis, sucessos, também fracassos.


Mulher é Novela


Vai para os 30, 40, 60 ... não crê que alcança os 80!

Quantos amores!

Quantas marcas!

Uniões, filhos, empregos, patrões (dentro e fora de casa) ,

metas alcançadas, tantos desejos frustrados,

tantas palavras já ditas, muitos silêncios impostos,

compreensões, incompreensões, traições e mil desgostos.


Mulher é História


E quando ela deixa o mundo,

em algum canto do quarto acha-se um fio de cabelo,

ouve-se sua canção favorita, vê-se uma oração à antiga cabeceira,

seu confessor travesseiro e a mancha da última lágrima.


Mulher é Saudade


Mas ela sempre renascerá em outras,

sempre será o que veio para ser,

sempre cumprirá sua missão de luz entre os homens,

sempre será apenas e tão somente o que é.


Apenas e tão somente MULHER



(Silvia Schmidt)

29 de agosto de 2008

BOM FIM DE SEMANA...


Mais real que fazer da vida um sonho,
é fazer do sonho uma vida,
pois nem sempre temos a vida que sonhamos,
mas sempre teremos um sonho para viver.

24 de agosto de 2008

Quero um minuto seu!!!



Só um!

É pouquinho.

Um minuto serve para sorrir.

Um minuto serve para ver o caminho, olhar a flor, sentir a grama molhada, notar a transparência da água.

Basta um minuto para avaliar a imensidão do Infinito, mesmo sem poder entendê-lo!

Num minuto, dá para ouvir o cantar dos pássaros que vão desaparecer no horizonte.

Ouvir o silêncio ou até começar uma canção.

Num minuto, você diz o sim que modifica a sua vida.

Basta um minuto para você apertar a mão de alguém ou fazer um amigo.

Quanta vitória se conquista num simples minuto!

Num minuto, você pode incentivar alguém ou desanimá-lo!

Basta um minuto de atenção para você fazer feliz um filho, um aluno, um professor, um semelhante.

Basta um minuto para você entender que a Eternidade é feita de minutos.


(AD)

17 de agosto de 2008

CORAÇÕES DESENCONTRADOS...


Corações que passeiam no espaço...
E se perdem no tempo...
Correm de encontro ao amor...
Um amor eterno...
De várias vidas..
Quando se vem se reconhecem...
Pelo olhar...
Pelo toque...
E pelo cheiro...
Palavras não precisam ser ditas...
Elas são simplesmente compreendidas...
Os momentos se repetem...
Mas são sempre interrompidos...
Não é chegado o tempo...
Desencontram-se...
É o amor adiado...
Que não pode ser vivido...
Ainda é proibido...
Afastam-se...
A espera de um novo tempo...
De nova vida...
Uma outra era...
São corações que correm para se encontrar...
Para que juntos possam ficar...
E um amor realizar...
A qualquer tempo...
Em alguma vida...
Em algum lugar...
Esses dois corações apaixonados vão se encontrar...
E juntos para sempre ficar...

(Patricia Montenegro)

13 de agosto de 2008

A Lista - Oswaldo Montenegro



Um dia a maioria de nós irá separar-se.

Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, das descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que partilhamos.

Saudades até dos momentos de lágrimas, da angústia, das vésperas dos finais de semana, dos finais de ano, enfim... do companheirismo vivido.

Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.

Hoje não tenho mais tanta certeza disso.

Em breve cada um vai para seu lado, seja pelo destino ou por algum desentendimento, segue a sua vida.

Talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe...nas cartas que trocaremos.

Podemos falar ao telefone e dizer algumas tolices... Aí, os dias vão passar, meses...anos... até este contacto se tornar cada vez mais raro.

Vamo-nos perder no tempo...

Um dia os nossos filhos verão as nossas fotografias e perguntarão:

"Quem são aquelas pessoas?"

Diremos...que eram nossos amigos e... isso vai doer tanto!

"Foram meus amigos, foi com eles que vivi tantos bons anos da minha vida!"

A saudade vai apertar bem dentro do peito.

Vai dar vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente...

Quando o nosso grupo estiver incompleto... reunir-nos-emos para um último adeus de um amigo.

E, entre lágrima abraçar-nos-emos.

Então faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vida, isolada do passado.

E perder-nos-emos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!"


(Fernando Pessoa)

31 de julho de 2008

15 de julho de 2008

Vou de férias!!!


A todos os que diariamente me visitam, quero agradecer todo o carinho.
Vou estar ausente por uns dias. Finalmente as férias.
Para os que já estão de férias, que tudo corra como desejam.
Para os que ficam, tudo de bom.
Beijos doces e o meu carinho.
Até breve!!!

13 de julho de 2008

RENÚNCIA




Disse um cancioneiro popular, num instante de muita inspiração que:

"O difícil no amor é saber renunciar."


Tem razão o nosso poeta popular.
A renúncia é o maior, o mais sublime e o mais nobre de todos os sentimentos humanos.
Renunciar a algo que queremos com todas as forças de nosso coração, mesmo sabendo que este acto nos corrói a alma, é necessário coragem, abnegação e força interior.
Todo ser humano nasceu para ser feliz, amar, doar, sorrir, cantar e também ser amado.
Se existir reciprocidade a dois, nossa alma abre como o botão em flor.
Entretanto, se há necessidade de renunciar, a alma se fecha, se isola e vai morrendo aos poucos, numa agonia lenta, inexprimível, jogando-nos no abismo do desespero e do fracasso.
Feliz é o ser que consegue suportar sem sucumbir a uma renúncia e viver de uma saudade; pois a renúncia dói, punge dilacera, mata.
Renunciar a um amor é ir morrendo aos poucos deixando para trás um rastro de tristeza, saudade, solidão e mágoa, vendo a felicidade tão próxima e sentindo a necessidade de se afastar dela bem devagarinho... até o epílogo da vida.



(Elzi Ferreira Maia)

8 de julho de 2008

O Tempo passa...




Você sabe...
O tempo passa
e nos envolve em suas teias...
E nos deixamos levar por ele,
embalados na rotina;
Sem cometer loucuras,
Sem cometer desenganos,
Sem afrontar sentimentos,
Sem pensar no espaço reduzido
que ele nos presenteia.

E ouvindo a melodia tênue de um pássaro no horizonte,
pensei em nós...
Em nossa presença.

Se um dia,
Esse tempo relâmpago,
me levar embora sem lhe beijar a face,
e apagar a vida em meu ser,
Talvez possa entender o que trago...

Trago a sensação
de suas mãos nas minhas,
O deleite de um abraço apertado,
e a ternura de um beijo em todas as sua maneiras...

Definição não as trago...
Trago risos, enfeites,
melodias...
Trago luzes e cores...
sem nenhuma explicação...
Em nossa presença.

E quando o tempo passa,
tenho a sensação de perdê-lo...
Em tantas ruas por onde caminhamos,
Em todos os questionamentos que detectamos,
Em tantas vidas que tivemos...

Respostas, não as trago...
Trago a sensação de possui-lo,
sem antes estar contida em suas noites...
Trago a sensação do tempo,
Tempo passado e presente,
como se todas as nossas estradas,
nos levassem um ao outro...

Trago meu olhar,
Nesse último pôr de sol,
Através dele saberás
o quanto brilha a estrela
nessa noite de inverno...
São os sinais de que precisamos,
para que nunca
nos percamos novamente....






3 de julho de 2008

Relógio do coração...



Há tempos em nossa vida que contam de forma diferente.

Há semanas que duraram anos, como há anos que não contaram um dia.

Há paixões que foram eternas, como há amigos que passaram céleres, apesar do calendário nos mostrar que eles ficaram por anos em nossas agendas.

Há amores não realizados que deixaram olhares de meses, e beijos não dados que até hoje esperam o desfecho.

Há trabalhos que nos tomaram décadas de nosso tempo na Terra, mas que nossa memória insiste em contá-los como semanas.

E há casamentos que, ao olhar para trás, mal preenchem os feriados da folhinha.

Há tristezas que nos paralisaram por meses, mas que hoje, passados os dias difíceis, mal guardamos lembrança de horas.

Há eventos que marcaram, e que duram para sempre o nascimento do filho, a morte do pai, a viagem inesquecível, um sonho realizado.

Estes têm a duração que nos ensina o significado da palavra "eternidade".

Já viajei para a mesma cidade uma centena de vezes, e na maioria das vezes o tempo transcorrido foi o mesmo.

Mas conforme meu espírito, houve viagem que não teve fim até hoje, como há percurso que nem me lembro de ter feito, tão feliz eu estava na ocasião.

O relógio do coração - hoje eu descubro - bate noutra freqüência daquele que carrego no pulso.
Marca um tempo diferente, de emoções que perduram e que mostram o verdadeiro tempo da gente.

Por este relógio, velhice é coisa de quem não conseguiu esticar o tempo que temos no mundo.

É olhar as rugas e não perceber a maturidade.

É pensar antes naquilo que não foi feito, ao invés de se alegrar e sorrir com as lembranças da vida.

Pense nisso...


(Alexandre Pelegi )

28 de junho de 2008

Same Mistake - James Blunt



Trocaria a memória de todos os beijos que me destes, por um único beijo teu...
E trocaria até esse beijo pela suspeita de uma saudade tua de um único beijo que te dei...

(Miguel Esteves Cardoso)

25 de junho de 2008

Definitivo como tudo o que é simples...




Definitivo, como tudo o que é simples.


Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.


Sofremos por quê?


Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.



Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.


Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.


Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.


Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.


Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.


Por que sofremos tanto por amor?


O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.


Como aliviar a dor do que não foi vivido?


A resposta é simples como um verso:


Se iludindo menos e vivendo mais!!!


A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento,perdemos também a felicidade.


A dor é inevitável.


O sofrimento é opcional...




(Carlos Drummond de Andrade)

8 de junho de 2008

Os dias passam...



Os dias passam e não encontro solução...

Espasmos da dor da perda

chegam com o silêncio da solidão,

machucando sem piedade, fazendo mal ao coração...

Apertam e aumentam com o tempo,

se esgueirando pelas encostas da tristeza...

Não vêm só,

perdidos entre tantas lembranças,

trazem em seu bojo outras dores que se cristalizam

escorrendo em forma de lágrimas.

Como extinguir sonhos e destruir recordações?

O que fazer para nos livrar de pensamentos e sentimentos?

Adversidades, devaneios, dores, fazem parte da vida...

Aceitá-los é o melhor que podemos fazer...

Numa constante luta, podemos dominá-los,

refazendo caminhos,

modificando rotas,

abrindo espaço para a felicidade,

embora a saudade seja eterna...
()

2 de junho de 2008

Lua Adversa!!!


Photobucket


Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua.
tenho outras de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário que
um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.
E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...
(Cecília Meireles)

25 de maio de 2008

Deleitem-se!!!


Sei que poderá ser repetitivo este texto. Também sei que não foi escrito por mim...longe disso. Mas, como isto é uma manta, aqui colarei este retalho, tão simples e puro, de Antoine Exupéry.
Aprende-se muitas vezes na leitura de uma simples frase mais do que em muitas vidas.
Se assim o é... vamos ler mais um pouco e abreviar as cabeçadas e aproveitar em pleno a nossa vida!
Deleitem-se.

"Andando, o principezinho encontrou um jardim cheio de rosas.
Contemplou-as... e eram todas iguais à sua flor.
E deitado na relva, ele chorou...
E foi então que apareceu a raposa.- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.
- Que quer dizer "cativar" ?
- É uma coisa muito esquecida.
Significa criar laços...
Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos.
Eu não tenho necessidade de ti e tu não tens necessidade de mim.
Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas.
Mas se tu me cativas, teremos necessidade um do outro.
Serás para mim, único no mundo.
E eu serei para ti, única no mundo.
Minha vida será como que cheia de sol.
Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. O teu passo me chamará para fora da toca, como se fosse música.
A gente só conhece bem as coisas que cativou.
- Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
- É preciso ser paciente. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos.
Cada dia te sentarás mais perto...
Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde às três, eu começarei a ser feliz.
Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz.
Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade!
Assim o principezinho cativou a raposa.
Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
- Ah! Eu vou chorar...a gente corre o risco de chorar um pouco, quando se deixou cativar.
acrescentou:
- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua, é a única no mundo.
É simples, o segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.
Foi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tua rosa tão importante.
Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.
Tu és responsável pela rosa...
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar...
" Os homens do teu planeta, disse o principezinho, cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim...e nunca encontram o que procuram...E no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa, ou num pouquinho d'água...
Mas os olhos são cegos.
É preciso buscar com o coração..."

(Antoine De Saint- Exupéry)

20 de maio de 2008

AMOR ESPECIAL


Um amor especial...
É um amor especial...
Sobrevive às intempéries da vida,
à ausência... Pois é um amor especial...



Amor especial é aquele amor
que independente do "estar" junto,
basta "sentir-se" junto...
é amor que mesmo longe, dá calor...
dá prazer e satisfação...
traz vida e alegria ao coração...
Esse é de verdade, um grande amor...
Sentido com a alma...
com o pensamento,
o coração se acalma...
acaba com o tormento...
Pois esse é um amor especial,
mesmo na ausência é sentido...
cura um coração dolorido...
é realmente... um amor especial
Faz sentir a presença do ausente,
Diminui a saudade que se sente,
Daquela pessoa tão querida,
Tão necessária à própria vida...
( Marcial Salaverry)

18 de maio de 2008

Gestão do Tempo





Não sei quem escreveu, se é verídico ou não, mas não pude ficar indiferente a este texto. Muitos já o devem conhecer, até já o podem considerar "mais velho que sei lá o que", mas para mim é novo e eu considero que merece ser ainda mais divulgado do que apenas numa transmissão de e-mails.


"Um consultor, especialista em "Gestão do Tempo", quis surpreender a plateia durante uma conferência. Tirou debaixo da mesa um frasco grande, de boca larga. Colocou-o sobre a mesa, ao lado de uma pilha de pedras do tamanho de um punho, e perguntou:
- "Quantas pedras acham que cabem neste frasco?”

Após algumas conjecturas dos presente, o consultor começou a colocar as pedras até encher o frasco.

Perguntou, então: "Está cheio?"

Todos olharam para o frasco e disseram que sim.
Em seguida, ele tirou um saco com pedrinhas bem pequenas debaixo da mesa. Colocou parte das pedrinhas dentro do frasco e agitou-o. As pedrinhas penetraram pelos espaços encontrados entre as pedras grandes.

O consultor sorriu, com ironia, e repetiu: "Está cheio?"

Dessa vez os ouvintes duvidaram: "Talvez não…".
"Muito bem!" – Exclamou o consultor, pousando sobre a mesa um saco com areia, que começou a despejar para dentro do saco.

A areia infiltra-se nos pequenos buracos deixados pelas pedras e pelas pedrinhas."Está cheio?" – perguntou de novo."Não!" – exclamaram os ouvintes.
Pegou, então, num jarro e começou a jogar água para dentro do frasco, que a absorvia, sem transbordar.

Deu por encerrada a experiência e perguntou:"Bom, o que acabámos de demonstrar?"

Um participante respondeu:"Que não importa o quão cheia está a nossa agenda; se quisermos, sempre conseguiremos fazer com que caibam outros compromissos."
"Não!" – Concluiu o especialista – "O que esta lição nos ensina é que, se não colocarmos as PEDRAS GRANDES primeiro, nunca seremos capazes de colocá-las depois.


E quais são as PEDRAS GRANDES nas nossas vidas?



São os nossos FILHOS, a PESSOA AMADA, os AMIGOS, os nossos SONHOS, a nossa SAÚDE e a nossa EVOLUÇÃO ESPIRITUAL.

O resto é resto e encontrará o seu lugar…"

15 de maio de 2008

Pólo Norte - Asa Livre

Abre as Asas e vai!
Ninguém merece.
Nem tu, nem eu!
Ninguém!!

Como um pássaro que vai
Quando uma porta se abre
Não olhes para trás e vai depressa

Como a noite quando cai
Abraçando a cidade
Deixa simplesmente que aconteça

Abre as asas e vai
Das tuas asas as minhas também
Abre as asas , eu fico bem

Como um barco que se afasta
De uma das margens do rio
Não há um só lado na vida

Quando um beijo já basta
Corpo quente em corpo frio
Deixa que aconteça a despedida

Abre as asas e vai
Das tuas asas as minhas também
Abre as asas , eu fico bem

E que a despedida
Seja só o recomeço
Livre asa solta
Voa alto, eu não te esqueço

Abre as asas e vai
Das tuas asas as minhas também
Abre as asas , eu fico bem

22 de abril de 2008

Como se perde um AMIGO?


Perde-se um amigo por culpa sua mesmo.
Porque você errou com ele,
você o compreendeu demais,
perdoou demais, relevou demais...
Você impediu que ele
fosse um ser humano melhor,
você permitiu que ele continuasse mentindo,
você se calou....
você deixou ele difamar inocentes,
se omitiu...
Você o viu ferir pessoas queridas
e nada fez
Quando alguém corrigia seu amigo
você punha "panos quentes"
você o viu clamar por uma justiça
a que não faz jus ... e aplaudiu...
você tirou de seu amigo a chance de ser diferente,
dele deixar de ser uma pessoa mesquinha e fútil...
com isto você contribuiu pra que ele continuasse
a ser essa pessoa insensível,
que a muitos de boa fé explora
e que de corações puros se aproveita...
Mas você não cobrou isso dele,
Assim... em silencio...
pactuou com estes erros ...
Perde-se um amigo,
no exato momento em que
reconheces que ele não é teu amigo.
Isto ocorre no momento em que,
não suportando mais as diferenças
de princípios morais,
você o exclui de sua vida.
Dói muito....
mas você se sente mais leve...
digna...
(DA)

19 de março de 2008




Não é raro alguém dizer-me que transmito paz.
Como um mar em calmaria.
E sempre a minha boca se abre num sorriso.
Numa cumplicidade com o que realmente vislumbro deste transmitir.
Certa vez disseram-me que as águas profundas
São superficialmente calmas e difíceis de navegar
Porque o barco fica sem muito peso
E a este comentário não pude sorrir.
Há situações na vida que simplesmente acontecem
Então se bóia ou se mergulha.
A primeira opção é confortável mas por pouco tempo
Mas ás vezes o mergulho é o que salva o naufrago
Estou divagando, fugindo, “filosofando” sobre algo consumado
Filosofar para quê?
A culpa quando vem acompanhada de muita felicidade
Se torna uma forma de dor morna… suportável.

5 de março de 2008

Nunca se abandone!!!




Quando depositamos muita confiança ou expectativas numa pessoa,

o risco de nos decepcionarmos é muito grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas,

assim como não estamos aqui para satisfazer as delas.

Temos que nos bastar.

Nos bastar sempre e, quando procurarmos estar com alguém,

fazer isso cientes de que estamos juntos porque gostamos,

porque queremos e nos sentimos bem,

mas nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se “precisam”.

Elas se “completam.”
(AD)

26 de fevereiro de 2008


Um homem precisa viajar.


Por sua conta, não por meio de historias, livros ou Tv.


Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender...


Conhecer o frio para conhecer o calor.


Sentir a distancia e o desabrigo para estar bem sobre o seu proprio teto.


Um homem precisa viajar para lugares que nao conhece


para quebrar essa arrogancia que nos faz ver o mundo como o imaginamos,


e nao simplesmente como ele é;


que nos faz professores e doutores do que não vimos,


quando deveriamos ser alunos e simplesmente ver.




in "Mar sem fim" de Amyr Klink

18 de fevereiro de 2008




Hoje andei a arrumar papéis e, no meio deles, encontrei um mais amachucado que me saltou à vista por ter um texto escrito com a minha letra. Lembrei-me então de o ter copiado de um qualquer lugar (talvez de um mail) e que seria de autor desconhecido.

É um texto simples, nada rebuscado e não fui eu que o escrevi mas podia ter sido! É assim que sinto e é assim que vivo!

Não interpretem mal o 2º§... respeito todas as formas de encarar a vida e acho mesmo que é um pouco cruel a forma como está escrito mas não quis retirar nada ao texto.


FELICIDADE



A felicidade não depende do que acontece ao nosso redor mas sim do que acontece dentro de nós mesmos!

A felicidade se mede pelo espírito com que enfrentamos as dificuldades da vida…A felicidade é um assunto de valentia…é muito mais fácil sentir-se deprimido e desesperado!

A felicidade é um estado de ânimo…não somos felizes até decidirmos sê-lo!

A felicidade não consiste em fazer sempre o que queremos mas sim querer tudo o que fizermos!

A felicidade nasce colocando o nosso coração no trabalho e fazê-lo com alegria e entusiasmo!

A felicidade não tem receitas…cada um cozinha com o seu tempero preferido!

A felicidade não é uma pousada no caminho mas sim, uma forma de caminhar durante a vida!!!


(autor desconhecido)

29 de janeiro de 2008


Duas mentes, um só pensar.
Dois corações, um só pulsar.
Dois olhos, um só dizer.
Dois sorrisos, um só prazer.
Duas mãos, um só tocar.
Dois lábios, um só beijar.
Duas lágrimas, nenhuma dor.
Uma só palavra, AMOR.

24 de janeiro de 2008

Empresta-me as tuas asas!!!

asas


Para um bom ganhador não existem derrotas
Para quem escolheu ser um vencedor, tudo tem um proveito
Não existem perdas, apenas fins de ciclos
Não existem tombos, apenas mudanças
Não existem inimigos, apenas pessoas diferentes
Não existem problemas, apenas chances de exercitar
Não acontecem desgraças, apenas chamas passageiras
Não há orgulho ferido, apenas lições de vida
Não existem comodismos, apenas rápidos descansos
Não existem os fracassos, apenas o sucesso dos outros
Não existem competições, apenas os outros debatendo-se...
Nas leis do sucesso, só vale quem acredita que nasceu para vencer
Porque a vida só leva para o futuro quem sabe viver..."


(Desconheço a autoria)

16 de janeiro de 2008

O Peso da beleza!!!




O peso da nossa beleza é liquido…

em cada pessoa que entra na vida,

corre o mais belo e único riacho

e como a água podemos unirmo-nos a outra água

e juntos formar uma fantástica cascata

como a água podemos ser sujos quase irremediavelmente poluídos

e tornarmo-nos azedos até ao último do nossos dias!!!

...o peso da nossa beleza é liquido…

(BB)

13 de janeiro de 2008


Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares.


É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.


(Fernando Pessoa)