26 de novembro de 2008

Um gesto de Amor!!!




"Quanto maior a dificuldade, tanto maior é o mérito em superá-la."

(Henry Ward Beecher)


Foi um choque para aquela jovem mãe quando recebeu o diagnóstico de câncer.


Sucederam-se os tratamentos e, naquele dia, após o internamento, quando ela voltava para casa, se sentiu muito triste.


Ela estava consciente da sua aparência. Estava sem cabelos, por causa da radioterapia. Sentia-se desencorajada.


Seu marido continuaria a amá-la?


E seu filho?


Ele tinha apenas seis anos.


Quando chegou em casa, sentou-se na cozinha, pensando em como explicar a seu filho porque estava tão feia.


Ele apareceu na porta e ficou olhando-a, curioso.


Quando ela iniciou o discurso que ensaiara para ajudá-lo a entender o que via, o menino se aproximou e se aconchegou em seu colo, quietinho, a cabeça recostada em seu peito.


Ela acariciou a cabecinha do filho e disse: "você vai ver como daqui a pouco o meu cabelo vai crescer e eu vou ficar melhor, como era antes".


O menininho se levantou, olhou para ela, pensativo.


Depois, com a espontaneidade da sua infância, respondeu: "seu cabelo está diferente, mãe. Mas o seu coração está igualzinho."


A mãe não precisava mais esperar por daqui a pouco para melhorar. Com os olhos cheios de lágrimas, ela se deu conta de que já estava muito melhor.


O essencial é invisível aos olhos, dizia o pequeno príncipe, no livro de Antoine de Saint Exupéry. Quem ama vê além da aparência física e é isto que ama: a essência.


Por isto os casamentos em que o amor é o autêntico laço de união perdura, apesar dos anos transcorridos.


Para quem têm olhos de amor, o olhar penetra além do corpo físico que perdeu um tanto do vigor e já não apresenta a exuberância plástica dos verdes anos.


Para esses, o amor amadurece a cada ano, solidificando-se a cada dificuldade enfrentada, a cada óbice superado, a cada batalha vencida.


Enquanto os cabelos vão sendo prateados pelo exímio pintor chamado tempo, e a artista plástica chamada idade vai colocando pequenos sinais na face, aqui e ali, o amor mais cresce.


O sentimento se engrandece à medida que o passo deixa de ser tão vigoroso e um se apóia no outro para descer os degraus, para subir uma escadaria.


A solidariedade se torna mais intensa, enquanto a vista se embaça um pouco e o extraordinário computador que é o cérebro já não consegue fazer as corretas equações matemáticas, para aquilatar se dá ou não tempo para atravessar a rua.


Uma mão segura a outra, muda, para afirmar: esperemos um pouco.


Envelhecer ao embalo do amor é maravilhoso.


Desfrutar do aconchego um do outro é reconfortante.


Felizes os casais que envelhecem juntos. Felizes os filhos que sabem aproveitar da companhia generosa de pais e avós que o tempo alcançou.
De todos os momentos da vida os mais preciosos são os desfrutados com amor.


Quando as dificuldades se avolumam, os problemas crescem, os dias solitários chegam, é maravilhoso ter momentos de carinho para serem recordados.


Momentos que recebemos ou que ofertamos.


Momentos que nos fizeram extremamente felizes.


Momentos que, revividos, pelos fios invisíveis do pensamento, ainda nos reconfortam e aquecem o coração.


Por tudo isso, ame muito e permita-se amar por seus amores.




(Acesse o site e clique no botton)

Caso queiras leva-me contigo e divulga no teu espaço

()

21 de novembro de 2008

Leve Beijo Triste

Teimoso subi

Ao cimo de mim

E no alto rasgei

As voltas que dei

Sombra de mil sóis em glória

Cobrem todo o vale ao fundo

Dorme meu pequeno mundo

Como um barco vazio

P´las margens do rio

Desce o denso véu lilás

Desce em silêncio e paz

Manso e macio

Deixa que te leveassim tão leve

Leve e que te beije meu anjo triste

Deixo-te o meu canto canção tão breve

Brando como tu amor pediste

Não fales calei

Assim fiquei

Sombra de mil sóis cansados

Crescendo como dedos finos

A embalar nossos destinos

Deixa que te leve assim tão leve

Leve e que te beije meu anjo triste

Deixo-te o meu canto canção tão breve

Brando como tu amor pediste


Paulo Gonzo (com Lúcia Moniz)

14 de novembro de 2008

INSIGNIFICANTE...


Tudo é tão claro, tão suave,

Nenhum obstáculo ou entrave,

Mas nem por isso é fácil o caminho.

Por vezes o coração aperta, sozinho.

E o frio a alma congela.

A intuição grita e pede cautela.

Mas tenho o dom de olhar

Sempre das coisas o lado bom.

O dia é sempre azul, não marrom.

Afinal todo ponto de vista

É só a vista de um ponto.

E eu nunca fui uma derrotista.

Apesar de achares que não,

Observo-te a distancia, de pronto.

Deixo me levar pelo coração.

Vejo seu jeito de apaixonado.

Então me permito ficar de longe

Acho que a minha lucidez

Afastou a estupidez

De querer me fazer presente.

Sou apenas aquela insignificante

Em face de ti, insigne passante.

Pensando assim, sigo contente.

Indo adiante.
()