9 de março de 2015

OITO ANOS ... DEPOIS!!!




Há dizeres que mesmo não sendo nossos podem adaptar-se a qualquer um de nós.

Uma carta de alguém para outro alguém, uma carta talvez já perdida na memória dos intervenientes, mas que pela brutalidade dos sentimentos, da dualidade de sentimentos, depois de lida por mim, não me foi possível ignorar....Porque mesmo não sendo (como referi) nossa, podia ser de qualquer um de nós para qualquer um de nós.... e talvez acorde alguém adormecido pelo medo ou pela comodidade, a que muitos chamam de covardia no primeiro caso e conforto no segundo.


"Confesso que houve o tempo em que eu pensava que era escrito para mim.... Confesso que alimentei esse sonho durante quase todo este tempo.... Confesso que perdi essa fé não há muito!
Agora entendo que não.... E lamento, não que eu não seja a, mas que eu tenha criado uma ilusão sobre esse facto.
Mas as pessoas aprendem assim, e tu ensinaste-me a ser hoje uma mulher muito mais segura e mais forte.
No fundo, sempre tive a certeza do que sentias, mas fui fechando os olhos e deixando-me levar pela música que em mim tocava (foi a forma menos dolorosa que consegui arranjar).
Muitas vezes é menos doloroso mentir a nós próprios.... Acabamos por conseguir convencer o mundo, e nós....
Foste uma pessoa importante, mas é isso mesmo: aprendemos que quando amamos temos de deixar a outra pessoa livre..."


E só assim o nosso coração pode voltar a respirar e a absorver novos mundos e novos seres.

Só tenho pena que os teus "ses" te tenham privado do maior bem do mundo: o amor pleno.

Há amores que não voltam, há pessoas que não ficam e só elas deveriam permanecer.

Como diria este alguém há amores que passam e não ficam.... e só eles, apenas eles deveriam ficar!!!

 

Janeiro/2015

2 comentários:

  1. Que belo texto e belo blog....vou ler mais, muito mais! Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada André pelo carinho da tua visita 😃

      Eliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.