27 de agosto de 2015

Sou-me...sendo!!!


                (Agosto 2015)



Tudo o que amei, amei sozinho.” Edgar Allan Poe

Sou
sem me deixarem ser,
esta profunda dor sentida,
neste escuro lado da vida
onde só há desviver.
Sou
um gesto já perdido
num tempo que perdura,
momento sem ternura
em solidão esquecido
Sou
assim, sofrida e só,
nas ilusões que acalento.
Lágrima solta ao vento,
desta incerteza sem dó.
Sou
um bocado do teu querer,
triste verdade escondida
que se adormece ferida
num regressado nascer.



2 comentários:

  1. E és grande :) uma vencedora. Nunca deixes de ser quem és, sinto-me um privilegiado por fazer parte do teu universo. Beijo doce Cris :)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.