23 de outubro de 2015

As lágrimas são...







... tu querias actos... e eu queria sentimentos!!!




As lágrimas são essas gotas inocentes que nos deixam menos soberbos e mais carentes.


Quem chora não importa a idade, volta a ser criança.

Não que o choro seja apenas uma coisa da infância, mas o pranto, subtraídas as lágrimas de crocodilo e os choros derramados pelo fingimento, é um sentimento feito puramente de verdade.


Chorar é colocar para fora as ondas do nosso “mar de dentro”. 

E essas águas podem ser de alegria ou de tristeza. “A tempestade que chega é da cor dos teus olhos, castanhos...”


Eu choro por causa do “nunca mais”.

Porque nunca mais é uma espécie de morte. 

Não tenho bola de cristal para prever a sorte ou o que vai ou não acontecer, mas tenho um coração que me diz que algumas coisas eu não vou viver nunca mais. 

Esse sentimento de “nunca mais” é a ausência de algo que gostaríamos permanente. 

Mas o nosso ilimitado desejo de “para sempre” contra a vontade do universo do “nunca mais” é insuficiente.


A vida é muito parecida com uma vela. 

A chama que queima o pavio é a nossa história, a luz alegre que ilumina a nossa existência. 

Mas a vela que ilumina também é uma vela que morre. 

E ao queimar e iluminar a vela chora lágrimas quentes que escorrem da sua chama. 

Há corações que se desmancham em lágrimas como “manteiga derretida”.


Viver é ao mesmo tempo uma chegada e uma partida.

Choro o meu “nunca mais” em lágrimas inocentes. 


Pingos de saudades, gotas de chuva que anunciam um amanhã incompleto.


Essas coisas que fazem parte do meu “nunca mais”, aquelas que estão fora do meu alcance e da minha vontade e por isso mesmo é que são as partes mais importantes do meu “para sempre”...







11 comentários:

  1. Às vezes faz bem chorar, limpa a alma.Mas prefiro mil vezes rir ou chorar a rir.
    Mas como não se consegue mandar nas emoções... mais vale abraçá-las e chamá-las de nossas e sendo a rir, a chorar ou outra coisa, que seja verdadeiro e que venha do coração :)
    Beijinhos e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Olá Cris,

    Seca as lágrimas e sorri, sabes, tens um sorriso sublime.
    O teu olhar fica mais bonito quando sorris, acredita.
    Mas se tiver que ser, chora, chorar alivie e devolve os sonhos.

    "(...) Os sonhos não são desejos superficiais. Os sonhos são bússolas do coração, são projetos de vida.
    Os desejos não suportam o calor das dificuldades.
    Os sonhos resistem às mais altas temperaturas dos problemas.
    Renovam a esperança quando o mundo desaba sobre nós."
    Augusto Cury

    Doce beijo e feliz semana

    ResponderEliminar
  3. Hellô Cris,

    Ninguém entra na nossa vida por acaso, mas também não é por acaso que as mesmas deixam de fazer parte do nosso dia a dia, da nossa vida, enfim... Temos, embora por vezes, seja doloroso, que deixa-las ir, para nosso próprio bem.

    Amiga, tudo passa, não chores o teu nunca mais.

    Aqui te deixo o meu abraço inteiro. A VIDA está aí para ser vivida em pleno.

    ResponderEliminar
  4. Olá, Cristina!

    Um texto de amor sincero e que espelha realidades, k não vou classificar, nem devo.
    Compreendo e aceito o choro, se ele não for de "crocodilo", ou por tudo e por nada. Se assim acontecer, vira mania, ou indica patologia associada. Há pessoas, sobretudo mulheres, que "por dá aquela palha" choram e os homens, que chegados à 3ª idade ficam mais choricas, mais sensíveis. É um processo natural.

    Pouca coisa é para sempre, como já aqui escrevi, e não entendo como é que que um homem ou uma mulher podem ficar devastados, arrasados e com pouca vontade de continuar, perante um amor que findou, ou cujas intenções, propósitos eram completamente opostos. Amanhã é outro dia, e melhor, com certeza. E homens e mulheres é o k não falta por aí!

    Não choro desde 2008, ano em que o meu pai morreu, portanto há 7 anos, e só o fiz passado algum tempo, duas ou três semanas, mas sozinha, sem "espectadores" . Sou, na realidade, pouco dada a lamentações e a choros, e por amores, quer felizes, quer menos felizes, nunca chorei, mas já fiz chorar "alguéns", não de propósito, logicamente. As pessoas em causa eram e são mto sensíveis e ainda não aprenderam a gerir as suas emoções.

    Qto à tua observação, pois tive de fechar os comentários nos poemas anteriores, pke me começaram a aparecer, passados uns dias, e já com nova publicação no blogue, umas parvoíces, umas idiotices, umas vezes provocadoras, outras muito melosas (recalcamentos, pobre gente) e "pra grandes males, grandes remédios". Há gente que necessita de tratamento, para além da má formação que possuem e do péssimo caráter, mas são aqueles/as k mais criticam e exigem, disto ou daquilo, deste ou daquele.
    Assim, não posso estar de acordo com a afirmação de Jean-Jacques Rousseau.

    Boa semana.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Nada como chorar...depois parece que tudo melhora :) bonito texto! Beijos *

    ResponderEliminar
  6. Tantas vezes na vida achamos que mais vale desistir que resistir e insistir; esquecer do que querer, arrumar do que cultivar, anular do que desejar. Muitas vezes pensarmos que o tempo está a nosso favor, e que a vontade de mudar é sempre mais forte, que o destino e as circunstâncias se encarregarão de solucionar a equação ou atenuar uma dor. No ar ficará sempre a dúvida se fizemos bem, se devíamos ter arriscado, se teríamos conseguido...

    A paz obtém-se com a certeza de termos feito aquilo que deveria ser sido feito. Pior que receber um “Não”, é a dúvida do “Talvez”, é a desilusão e a amargura do “Nim”que provoca o “Quase”. Este quase é algo que mata lentamente, pois confronta-nos com o que poderia ter sido feito e não foi. Esperamos que o tempo transforme essa equação numa recordação ténue e fechada, de um passado sem retorno que teve o seu tempo, a sua época e que um dia também teve o seu fim.

    É difícil, mas é preciso aprender que perder também faz parte da vida, por muito que custe, há que aceitar e seguir em frente. Achamos sempre que não conseguimos, que será impossível, que a dor é tanta que não passa, e que estamos numa estrada sem luz e sem retorno. Quem acha que amou, e não chegou sequer a dizê-lo a quem amava, ou quem amou mais, ou quem amou menos, ou quase amou, certo que não amou de todo.

    Não é que todas as estrelas estejam ao nosso alcance, mas para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, seguir em frente, a preferir a derrota prévia à dúvida da vitória. É preciso conhecermos a nossa verdadeira essência, o que nos faz felizes, o que nos motiva para que encontremos a liberdade e a paz. Assumir a responsabilidade da nossa felicidade, e para fazer felizes os outros temos, de primeiro ser felizes connosco, conhecer e trabalhar os nossos sentimentos, ter inteligência para aceitar quem somos e equilíbrio emocional.

    Perdemos grandes oportunidades de merecer e de ter pessoas importantes na nossa vida porque não sabemos expressar os nossos sentimentos e emoções.

    É assim que gosto de ti. Beijo

    ResponderEliminar
  7. Cheguei aqui vindo de Macau.
    E acho que vou por aqui ficar.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Grata pela tua visita. Entra e fica à vontade :)

    Beijo carinhoso

    ResponderEliminar
  9. Li ontem as tuas palavras. E tentei com as duas mãos, mas sem sucesso, dar outro caminho útil às tuas lágrimas. Queria tanto que fossem um gracioso riacho cintilante descendo com frescura os montes doces da tua face e caindo depois, em minúsculas cachoeiras, na concha acolhedora das minhas mãos… Queria que brotassem somente de um sorriso, de um sereníssimo estado de gratidão para com a vida ou de um reencontro pleno contigo, no teu caminho de sol e de verão.


    Mas talvez não sejam assim. Talvez sejam outras lágrimas paridas por uma velha dor. Fiquei muito quieto. Vi-me ali encostado ao muro, de olhos bem acessos perscrutando com preocupação o teu choro silencioso no espesso escuro da noite. Ouvi então o vento que já andava por ali desassossegando sem modos a tranquilidade do araçazeiro que mora no meu quintal. O limoeiro também acordou e esbracejou a sua folhagem contra a minha incerteza e depois no tronco da nespereira. Logo depois chegou a chuva caindo em abundância e com raiva, batendo sonoramente no chão sem culpa. A coberto da noite a chuva é sempre mais violenta e raramente adivinhamos de que lado vem. E cada gota que nos atinge o rosto é uma fria verdascada dirigida com mestria por uma mão de vento.

    Percebi depois que estava a ficar molhado e tomei a decisão de regressar a casa. Antes porém, passei a mão nos olhos e no rosto para afastar as muitas gotas da chuva que ali se pastavam. Para espanto meu, algumas gotas sabiam a sal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Há palavras que nos beijam..."

      Obrigada pelo teu carinho, por estares sempre presente apesar da distancia.

      Beijo

      Eliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.