25 de novembro de 2015

A RAZÃO DA EMOÇÃO!!!





"O único amor que vale é o que não nasceu da razão"


(Arthur Schendel)


Tantas vezes me perguntei como agir após uma emboscada do destino, uma traição da vida, um momento infeliz. 


Se através da razão ou da emoção. 

Muitos exemplos me ensinaram a fazer o uso do bom senso, do equilíbrio, sem saberem, todavia, se o meu coração navegava num mar de tranquilidade ou se estava perto de explodir de emoções absolutamente impossíveis de conter.

Mas como aceitar avisos que, embora, pareçam sábios, sei que esses conselheiros não podem ver o que está dentro do meu peito.

Fico cismada de vez em quando, de como utilizar a razão, quando preciso de cuidar das coisas da alma e do coração. 

Como raciocinar livremente de forma a desprezar um passado que continua presente? 

Como construir um futuro com alicerces de bom senso se as paredes do meu espírito são pintadas com a cor viva da emoção?

Como tomar decisões à luz da razão quando na caminhada da minha existência vivem o amor, as suas perdas, as suas conquistas, a traição, a desforra, o despeito, uma saudade que nunca acaba?

Como viver afinal, entre a razão e a emoção, sem que o  meu interior seja um palco de um duelo sentimental entre duas guerreiras da alma, que confundem os meus sentidos, brincam com o tempo, criando e matando esperanças, desafiando a felicidade, julgando e condenando todos os meus outros sentimentos?

Se muitos pudessem ver o teatro oculto do meu espírito não ficariam a exigir que os meus atos corram sempre em rios serenos da prudência. 

Se pudessem rasgar os panos que escondem as minhas inquietações mais íntimas viriam que a razão da emoção é a maior verdade de todas as verdades.

A razão é dura. 

A emoção sonha. 

A razão é fria. 

A emoção é ardente. 

A razão é insípida. 

A emoção é doce. 

A razão é imparcial. 

A emoção toma partido da paixão, tem o olhar da alvorada, a sensibilidade do anoitecer.

Jamais os amores que tem o cheiro eterno começaram no berço da lógica. 

A razão é apenas a tinta sem perfume que ensina e conserta as coisas materiais. 

A emoção conserta a vida, o amor, o desamor.

Muitos dizem que a razão é que desenha a calma na face dos Homens. 

Mas o que importa, se algumas vezes, a emoção nos faz derramar num choro que não acaba nunca?

Só choramos pelo que amamos. pelo que queremos ardentemente. 

Pelo que perdemos. 

Pelo o que nos sufoca a alma ou nos magoa o coração.

Por isso, a vida ensinou-me que posso renunciar a tudo, excepto ao amor, ao que remexe a minha alma, ao andar das emoções que me fazem adormecer nas nuvens.

O caminhar intrigante do tempo fez com que eu me encantasse pelo perfume do desconhecido, pelo um sonho que ainda não sonhei, por uma manhã que ainda não vivi, pelo colorido de uma emoção que ainda vai acontecer.

Que importa o futuro se a história que ele vem contando, a insípida da razão, há muito já me confidenciou.


5 comentários:

  1. Excelente Texto ! Nunca devemos renunciar ao Amor,nem perder a Esperança !

    ResponderEliminar
  2. Olá Cristina,

    (...) pelo um sonho que ainda não sonhei, por uma manhã que ainda não vivi, pelo colorido de uma emoção que ainda vai acontecer.

    Minha querida, sinto o começo de alguma mudança. Gostei muito.

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Olá Filipe, sempre atento. Beijinho muito grande

    ResponderEliminar
  4. Uma luta incessante - razão (intelecto) vos emoção (coração).
    Que haja vitórias de ambos que assim é que é saudável.
    Bfds

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.