28 de março de 2015

POIS!!!



Fazes-me falta!!!
 
Mas a vida não é mais do que uma sucessão de faltas que nos animam!!!
 
 
 
 

23 de março de 2015

ELA!!!

 

Ela só queria ser tocada...

Porque viesse quem viesse já não conseguia descobrir mais do que ele já tinha descoberto ...

Ele tinha descoberto sensações, labirintos, ternuras, espasmos, que jamais alguém tinha conseguido, porque nem ela sozinha tinha conseguido tal...

Não basta estar, mas saber estar, não basta tocar mas saber tocar.

E ele acima de tudo tinha tocado mas sabido estar e respeitar, agora o que ela queria mesmo é que ele voltasse, porque quem viesse jamais conseguiria repartir ou descobrir o que somente pertencia aos dois.

22 de março de 2015

EU!!!



Sou pessoa de dentro pra fora.

A minha beleza está na minha essência e no meu caráter.

Acredito em sonhos, não em utopia.

Mas quando sonho, sonho alto.

Estou aqui é pra viver, cair, aprender, levantar e seguir em frente.

Sou isso hoje…

Amanhã, já me reinventei.

Reinvento-me sempre que a vida pede um pouco mais de mim.

Sou complexa, sou mistura, sou mulher com cara de menina… E vice-versa.

Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar…

Não me dôo pela metade, não sou tua meio amiga nem teu quase amor. Ou sou tudo ou sou nada. Não suporto meio termos.

Sou boba, mas não sou burra. Ingênua, mas não santa. Sou pessoa de riso fácil…e choro também!"

18 de março de 2015

... e porque as coisas mudam!!!



Como devem ter reparado, os mais atentos, a música do blog mudou... e porque esta musica me diz tanto, não podia deixar de a partilhar todinha com vocês. Coloca os fones... aumenta o som... e escuta... enjoy!!!
 
 

17 de março de 2015

DIVAGANDO - The Power of love!!!


Alguém gentilmente me questionou sobre o amor, aqui fica...
 
 
O amor, em minha opinião, e deixando um número suficiente de linhas soltas como que para servir de arquitetura, é um sentimento e, portanto, deve situar-se dentro do campo da vida afetiva.
Não pode, nem deve, ser racionalizado ou medido.
Vai depender sempre da personalidade do sujeito que o está a viver e sentir. Nietzsche, na obra "Assim falava Zaratustra", expressou-o magistralmente quando dizia que: «No amor há sempre algo de loucura… e sempre há na loucura algo de razão». Ou seja, o entusiasmo que desperta é capaz de renovar até aquilo que parecia mais imerso na inércia.
 
Pelo amor a vida ganha sentido.
 
Quando se descobre o amor na sua autenticidade, volta-se a nascer, muda-se e recupera-se o sentido de vida. É como se neste quebra-cabeças que é a vida e a felicidade faltasse um ingrediente decisivo, harmonizador, com capacidade para entender o jogo de contradições que existe à nossa volta.
Portanto, o Amor, como sentimento, é um estado afetivo que tem permanência, que dura e conserva uma estrutura temporal da nossa afetividade. E esse sentimento é motivado, o que significa que se deve a algo, que acontece devido a algo e não apenas porque sim. É um estado de ânimo. Sobrevém ao homem e apodera-se dele como se se tratasse de uma sedução muito especial: sedução gratificante; dilatadora; que comove interiormente e convida à doação pessoal.
 
Amar outra pessoa quer dizer, por isso, sair de si mesmo e partilhar. Ser amado é, então, ser tratado como uma exceção, com uma consideração especial, descobrindo com detalhe todo o bem que há nessa pessoa.
 
Ora, significa então que, cada amor é único e impossível de quantificar pela lógica. Apenas pela intensidade com que o sentimos e vivemos. Não se pode afirmar, dos amores que tivemos, qual deles o mais verdadeiro mas sim dizer, ou, se puder, escolher, qual deles o que nos fez, ou faz, mais feliz. O mais compatível ou o que não precisa de grandes adaptações ou mudanças. Se não o vivermos, aí sim, será sempre um "amor platónico".
E, nesse caso, pleno de inquietude e intensidade.
O amor, como comoção deleitosa que incita à posse, tem sempre presente o receio da eventualidade da perda.
Quando não existe este receio, não existe amor. Quando sentimos este amor, o verdadeiro, somos capazes de lutar contra tudo e todos e, sobretudo, apesar de podermos não o ter, é um facto, por si só, é algo que nunca nos fará estar bem connosco.
Não me parece que possamos ter muitos destes grandes amores. Sou da opinião de que existe apenas uma alma gémea, a metade da mesma laranja, e outras muito parecidas mas que fazem toda a diferença entre o bom e o ótimo.
Acredito que um novo amor possa apagar ou diminuir a importância do anterior.
A não ser que esse, anterior, seja o verdadeiro amor! E aí sim, nunca será esquecido e ficará sempre guardado no nosso coração e registado, a tinta permanente, na nossa memória.
A forma como cada um de nós vive o amor tem que ver com a nossa personalidade saudável.
Com a forma como fomos educados, com a maneira de ver a vida e articulando-se com o projeto de vida, formando, assim, dois pilares da felicidade daquilo que achamos que é a nossa exigência para sermos felizes.
Como tal, em última análise, as escolhas sobre os amores, serão sempre nossas.
 
O meu segredo?!?- "O poder do Amor."
 
 




11 de março de 2015

A PERDA!!!








O que mais nos atormenta o espírito é a forma abrupta como algumas coisas terminam.

É a forma como os dias tem de prosseguir sem aquela rotina que nos fazia crescer a cada pensamento ridiculamente igual ao anterior!!!

A forma como o destino constrói e destrói caminhos é que assusta.... a forma avassaladora como lança as cinzas contra o vento.

Sacudir a água que nos pesa nos ombros depois do rescaldo da noite não nos enxuga os olhos cansados e permeáveis.

A crença religiosa de que o mundo conspira a nosso favor, tem vezes que parece
uma estória cruel de mais para nos ser contada...


E depois vem o reviver, e o reviver...

Que nos massacra como uma torneira mal fechada que vai pingando, e vai pingando e fazendo aquele som pela noite dentro... quando o silêncio impera e quando o pingar da torneira e o silêncio da noite se misturam.

Mas o que mais nos atormenta o espírito é a forma abrupta como as coisas terminam, como deixam de estar nos lugares habituais, e a perda passa a ser demasiado pesada para ser levada ao peito.

É isso mesmo: a perda das coisas que terminam abruptamente é que nos vai tornando irremediavelmente sós!!!



9 de março de 2015

OITO ANOS ... DEPOIS!!!




Há dizeres que mesmo não sendo nossos podem adaptar-se a qualquer um de nós.

Uma carta de alguém para outro alguém, uma carta talvez já perdida na memória dos intervenientes, mas que pela brutalidade dos sentimentos, da dualidade de sentimentos, depois de lida por mim, não me foi possível ignorar....Porque mesmo não sendo (como referi) nossa, podia ser de qualquer um de nós para qualquer um de nós.... e talvez acorde alguém adormecido pelo medo ou pela comodidade, a que muitos chamam de covardia no primeiro caso e conforto no segundo.


"Confesso que houve o tempo em que eu pensava que era escrito para mim.... Confesso que alimentei esse sonho durante quase todo este tempo.... Confesso que perdi essa fé não há muito!
Agora entendo que não.... E lamento, não que eu não seja a, mas que eu tenha criado uma ilusão sobre esse facto.
Mas as pessoas aprendem assim, e tu ensinaste-me a ser hoje uma mulher muito mais segura e mais forte.
No fundo, sempre tive a certeza do que sentias, mas fui fechando os olhos e deixando-me levar pela música que em mim tocava (foi a forma menos dolorosa que consegui arranjar).
Muitas vezes é menos doloroso mentir a nós próprios.... Acabamos por conseguir convencer o mundo, e nós....
Foste uma pessoa importante, mas é isso mesmo: aprendemos que quando amamos temos de deixar a outra pessoa livre..."


E só assim o nosso coração pode voltar a respirar e a absorver novos mundos e novos seres.

Só tenho pena que os teus "ses" te tenham privado do maior bem do mundo: o amor pleno.

Há amores que não voltam, há pessoas que não ficam e só elas deveriam permanecer.

Como diria este alguém há amores que passam e não ficam.... e só eles, apenas eles deveriam ficar!!!

 

Janeiro/2015

SEMPRE ELA!!!




Ela adormeceu após tanto cansaço... doía-lhe a alma de tanto guardar lembranças.

Caiu exausta, sem reacção, sem coragem, já sem lágrimas.

As memórias podem ser armas poderosas de auto destruição... ela sentiu-se atordoada quando começou a arrumar a sua alma.

Acordou passado horas em sobressalto, ofegante de um sonho que não se lembrava mas que lhe pesava no coração.

Suava como se estivesse estado a correr horas infindáveis.
Pressentia que o sonho lhe quereria dizer algo, mas o quê?
Que há memórias que não se arrumam onde as queremos arrumar?

Que têm demasiada personalidade para se deixar influenciar?

Mais uma vez precisou de sair de casa e apanhar ar.

Vestiu a primeira coisa que encontrou espalhada pelo chão... e saiu, ainda um pouco embriagada pelo sonho.

Sentou-se no degrau de um prédio, numa rua iluminada. Sentiu o vento bater-lhe na face e jurou sentir o seu perfume.

Lutou contra esse aroma, não queria mais senti-lo ... queria descansar, repousar o espírito de tudo o que viveu e não foi sequer vivido, de tudo o que amou e não foi sequer abraçado como devia.

Ficou ali por breves horas... esvaziando de si tudo o que tinha que não pertencia ao seu corpo... a si.
O tempo começava a arrefecer e ela acabou de baixar guardar e voltar para casa, afinal era do lado de dentro da janela que ela melhor via, e que revia todas as vezes que a porta se fechava em frente a ela.

Dezembro 2014

DE NOVO ELA!!!



Acordou de olhos inchados, de alma seca. Perdeu anos de vida naquela noite.

Às vezes as palavras matam como armas!
 
Ela sentia a dor, como que se fosse sua, daquela mulher que encontrou à porta de um bar, caída, perdida, sem voz de tanto gritar!

Soube, contou-lhe a mulher, que viver amando alguém que não corresponde é a pior das torturas.
 
Mata lentamente!

No inicio dizia ela - temos a esperança de que vamos conseguir mudar o mundo, que a nossa força e o nosso sentimento serão capazes de nos fazer vencer.... mas todos os dias há pormenores que nos fazem cair uma e outra vez.... seguidamente.... continuamente.... e ninguém estará lá, minha querida, para te ajudar a subir!

Não ames apenas porque amas, ama apenas, se souberes que és amada!

Não dês de ti tudo de ti, ficarás nua e sem defesas....

Ela foi para casa desolada. O amor trás momentos de euforia louca.... e momentos de uma tristeza sem igual!

Pensou em si, o que havia nela, quem a traria no pensamento! Não identificou ninguém.

Adormeceu já era de manhã, de cabeça pesada e de coração perdido, como a daquela mulher, que encontrou caída à porta de um bar!
 
Dezembro 2014

3 de março de 2015

QUEM!!!




Quem sabe de nós, de cada um de nós?
Quem nos lambe as feridas quando não lhes conseguimos chegar?
Quem nos olha nos olhos, quando não nos conseguimos identificar?
Quem nos afaga o rosto e nos enxuga as lágrimas, quando estamos feridos de mais para erguer as mãos?
Quem nos levanta, quando estamos no fundo?

Quem chora connosco, quando já nem forças temos para chorar?

E quem ri connosco das coisas parvas da vida, das lágrimas perdidas na face, dos olhos fundos e acabados, das expressões inacabadas dos nossos rostos sem esperança.... quando acordamos, e percebemos que a vida é uma montanha russa, e não podemos ser felizes o tempo inteiro.

Quem se senta ao nosso lado e nos diz: "Isso vai passar um dia", e depois se senta novamente connosco, de copo erguido no ar para dizer: "vamos celebrar, eu não te dizia?"

Quem dança connosco quando só queremos estar debaixo da chuva que nos molha o rosto?
Quem nos abre o coração para que possamos repousar?
Quem nos estende a mão quando não temos por onde caminhar?
Quem nos abraça quando vencemos?
Quem nos dá esperança quando a perdemos?
Quem nos dá força quando estamos descrestes?

Quem???


A vida é tão curta para perceber o porquê de algumas coisas serem como são, de algumas coisas acontecerem como não queriamos que acontecessem.... mas assim é a vida, para quê querer o que não é?

Para quê querer a perfeição, se essa não existe, porque se existisse por certo detestarmo-la-íamos.... porque a condição humana é imperfeita!

Porque não ser feliz, apenas porque os olhos brilham, ser feliz porque sim e sem perguntas!

Que importância tem, se alguém não nos quer como gostariamos, se as pessoas que mais respeitamos nem sequer nos conhecem, se quem mais queriamos que nos olhassem bem no fundo dos olhos não percebem que estamos por aí!

Que importa?

Quem lamberá essas feridas?????

O importante é quem temos ao nosso lado, e não quem gostariamos que também estivesse ao nosso lado!!!

A vida é feita de escolhas, uns escolhem ficar connosco, gostar de nós, e outros..... bem existem os outros que não!!!

Mas as escolhas existem e são assim mesmo! Trazem mágoa, mas trazem a certeza de que aqueles que estão ao nosso lado são as pessoas que levaremos sempre connosco...

Ninguém me disse que a vida sería exactamente como imaginei....

Todas as feridas saram, podem deixar marca, mas com o tempo habituamo-nos às marcas esquecendo que um dia foram feridas, e que um dia alguém nos magoou assim tanto, sem dar por conta!!!

O que importa não é quem passa e não quer ficar, quem importa são os que vêm sem saber quem somos, que não nos temem, que nos aceitam, que nos olham e que ficam, porque gostam.... porque vão gostando, porque não desistem de nós...

A quem me acompanha o meu obrigada!!!


CRIS 28/01/2015