28 de maio de 2015

Sonhos!!!






Silenciosamente foste chegando.
Pé ante pé... nem me apercebi.
Não pediste licença para entrar, simplesmente foste chegando...
Sem permissão abristes todas as portas do meu ser...
Descobriste todos os meus segredos...
Esperanças e os mais secretos desejos.
Confiei-te todas as minhas dúvidas medos e anseios...
Escancarei as janelas da minha alma...
Dando-te total liberdade de ação.
Entraste no meu coração...
Vasculhaste-me os sentimentos...
Encontraste escondidos os meus defeitos e virtudes os sonhos e ilusões...
A amargura e a desilusão...
Confiei-te o meu destino... a minha vida.
Trocamos carinhos secaste as lágrimas que teimavam em cair dos meus olhos...
Afastaste a tristeza sorriste e falaste-me de esperança...
Sem mágoas ou tristezas reflectidas no olhar...
Com ternura e compreensão...
Devolveste-lhes o brilho...
Entraste em minha vida de mansinho...
Encheste a minha vida de quimeras, sonhos e fantasias...
És a fantasia na sombra dos meus dias...
Qual sonho adormecido vais chegando...
Acabando com a minha solidão!!!
 
És vendedor de sonhos simplesmente...

 
(O Vendedor de Sonhos (Augusto Cury)- alguém carinhosamente ofereceu-me este livro... amei lê-lo... o meu sincero obrigada!!!)

27 de maio de 2015

Mudanças!!!





Não há lugar para onde CORRER!!!

...as MUDANÇAS, quando precisam de ACONTECER...  sabem como nos ENCONTRAR!!!

25 de maio de 2015

Brinquedo perigoso!!!







Aqui na minha boca a saudade virou um brinquedo perigoso, e estou a tentar deixá-la fora do jogo.

Tenho outras maneiras de sentir a vida a bater-me no rosto, e a fazer-me sonhar.

Um dia olhei para o céu e vi-me a dançar com alegria, banhada de nuvens soltas...

E a partir daí o tempo foi-se equilibrando, na minha tempestade de sentimentos, e por fim vi-me de novo FELIZ...

A vida lá fora chama por mim, um grito que emudece as minhas cordas vocais exprimem a simplicidade de sentimentos contraditórios.

Eu sinto o mesmo sorriso no canto direito dos lábios, o mesmo que nos unia formando um só sorriso, mas agora vejo-me solta e percebo que a perfeição nunca nos acolheu, fico mais bonita tendo um sorriso só meu.

Mesmo que dois olhares se cruzem novamente, os mesmos lábios jamais irão se encontrar, porque a sintonia dos corações já não tocam para a mesma direção.


Eu sei... eu sei...

15 de maio de 2015

O amor morre... O amor mata!!!





«Love kills, drills you through your heart. Love kills, scars you from the start. »
                                                                                                Freddie Mercury


O Amor vive no passado, destrói o presente, hipoteca o futuro.
Dilacera o coração e deixa cicatrizes profundas.
O Amor coloca ainda arame farpado no coração e fica, deleitado, a vê-lo, de longe a sofrer, a sangrar com uma chaga aberta, com um pingo de sangue aqui, um pingo de sangue ali…
O Amor não se resigna, não dá tréguas, não permite acordos de paz.
O amor não hasteia o lenço branco da rendição.
O amor não se justifica e só faz aquilo que muito bem lhe apetece.
O amor morre!!!
O amor mata!!!

5 de maio de 2015

Flores de papel!!!

 
 


Cheguei a casa com as tuas flores de papel presas no coração.

É assim que me sinto quando penso em ti, na tua alegria, generosidade e beleza, mesmo que o nosso amor seja feito de papel como estas flores.

Não precisamos de o regar todos os dias, nem de o adubar, nem de lhe cortar os caules.

Nem sequer precisamos de água: o nosso amor é quase imaterial, tu aí e eu aqui.

É um amor de papel, frágil e opaco, leve e branco, feito de ideias, de sonhos, de esperança e de muitas cores por pintar.

Um amor sem planos nem projectos, quase adolescente, intenso, puro e perfeito.

Que não precisa de provas nem de palavras.

O nosso amor é de papel como as flores que me deste, e no papel há-de ficar, para sempre escrito nas minhas palavras.

Amar é como plantar uma semente e tu já plantaste a tua no meu coração.