8 de fevereiro de 2016

De ti...






O amor não é o que idealizamos, mas antes o que construímos.

E a magia de um amor construído reside nos mais pequenos gestos; está em tudo o que fazemos e dizemos.

É muito mais fácil de encontrar do que as pessoas imaginam. 

Para que isso aconteça é preciso que as duas pessoas queiram, que as duas pessoas acreditem, que ambas consigam olhar para o amor da mesma maneira e para o futuro com os mesmos olhos. 

E é preciso que tanto um como outro percebam o quanto o amor é importante na existência.

É preciso dar espaço ao amor, encontrar-lhe um lugar na nossa vida.

O amor sempre foi uma luta infinita para mim, em todas as suas vertentes.

Mas este, porque esperei tempo demais, é um poço demasiado fundo de se olhar.... é a grande vertigem da minha vida.


Mas ao fim deste tempo todo consegui perceber que já não existes emoldurado na minha lembrança.

Que foste apenas a imagem do homem que construí e nunca do homem que foste.

Deixaste-me um fardo pesado demais para o carregar sozinha: o fardo de amor só.

Quando regressaste pela última vez, o que querias de mim era o meu corpo e a minha pele.


Pouco ou nada querias saber desta pessoa que foi tua.

Despediste-te de mim com a frieza de quem não sente.... e foi apenas isso que restou de ti!

Essa lembrança estanque de um homem sonhado mas não realizado no fim da história!

Tu foste apenas o começo de mim..... mas é sem ti que eu terminarei a minha jornada!!!



13 comentários:

  1. Que inspiração, meu Deus...

    (se uma gaijinha de números escreve assim, imagino o que seria se fosse de letras...)

    :))


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes Jorge, a frieza dos números ajuda a controlar o outro lado, onde o sentir anda à flor da pela :))

      Eliminar
  2. Inspiração linda, ainda que i final triste! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  3. O drama de uma vida pode sempre ser explicado pela metáfora do peso. Dizemos que temos um fardo sobre os ombros. Carregamos esse fardo, que suportamos ou não. Lutamos com ele, perdemos ou ganhamos. O drama não é de peso, é mais de leveza. A insustentável leveza do ser!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Legionário, e não é que gostei da tua analise :)

      Um beijo e obrigada pela visita.

      Eliminar
  4. Uauuuuuu!!!!
    Belíssima inspiração Cristina
    Uma linda semana
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Concordo que o amor é construído, pois se for só idealizado não é amor, é fantasia :) E são necessários dois nessa construção, pois se for só um, passa a ser um fardo, para o que ama.
    Beijinhos e boa semana!

    ResponderEliminar
  6. Com tamanha inspiração, não há transpiração que aguente.
    Bom texto, sim senhora.
    Beijo com votos de boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Quando um amor desmorona, há que limpar o entulho e construir um novo. :)

    ResponderEliminar
  8. O amor não tem fórmula nem esforço solitário.Ou existe incondicionalmente de parte a parte ou então termina sempre assim.

    ResponderEliminar
  9. Existem amores que se calhar nunca o foram.
    Acredito que amor de verdade não magoa, não dói...
    Belo texto.
    www.algunsmomentosmeus.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  10. Amor de verdade não deve magoar.
    www.algunsmomentosmeus.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  11. Tenho a ideia de que infelizmente será algo que acontece com demasiada frequência, mas depois pode ajudar-nos a reconhecer um amor de verdade.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.