29 de fevereiro de 2016

Passado...






O passado é intocável, não devemos apagá-lo da nossa memória, por mais que ele nos tenha feito cair, esmurrar, tropeçar.... aprender e crescer no final!

O passado é o nosso passado, faz parte de nós.

É o fim de algo, ponto.

Existiu, e deve estar no seu lugar próprio: na lembrança.

Quando se tenta esquecer algo ou alguém que fez parte da nossa vida, nesse tempo do passado, existem dois processos de continuar a nossa vida.

Leva tempo!

Requer paciência!

E sobretudo paz...

Por vezes, todos nós, por diversas razões, não conseguimos no imediato ter a capacidade e o discernimento para encontrar nem um, quanto mais estes três pilares da sanidade mental!

Embora o nosso passado esteja solucionado, demora tempo a que o nosso cérebro perceba, que já somos livres.

Como disse é um processo demorado, e cada um têm o seu tempo próprio (como disse o Sr. fresco) de mentalização e de reconstrução!

Para mim é como um funeral (salvo expressão) : primeiro apanhamos o choque, o medo de não saber viver sem (nem com).

Depois vêm a revolta e a pergunta crucial: porquê a nós (por que não a nós?!).

A seguir vêm a tristeza.... e aí choramos, choramos, choramos.... como se não houvesse day after!

É nesta fase que sofremos, é aqui que tomamos consciência da dor física e mental!!!

Porque chega a doer na pele a tentativa de libertação.

Não é no choque, nem na revolta que há dor.... é a na tristeza!!!

E enquanto não fazemos o luto, a memória não esquece. A tristeza atenua, mas não passa, as lágrimas abrandam mas não secam, as feridas cicatrizam mas deixam marca (até ao próximo verão, em que o sol se enche de força e nos queima a pele).

É nesta fase, de pré-luto, que temos a certeza que passou, mas fica a dúvida do que teria acontecido se não passasse!

Aqui o coração não pára de nos entupir, de nos abalroar, de nos atraiçoar...

É como se tivéssemos com fome e não pudéssemos comer.

É como se tivéssemos as chaves para abrir a porta e dizer: I'm free, e não ter mãos.

É a falta de ar pura e dura!

Depois disto tudo, o luto faz-se.

A tristeza dá lugar à realidade.

Já não culpamos a vida e o mundo (que conspirava contra nós)..... e voltamos à tona..... cansados, doridos, mas salvos!!!

Aí, olhamos para o passado e pensamos que a vida não teria sido a mesma, que nós não seriamos os mesmos, se esse passado fosse esquecido.

Porque se ele nos fez cair, foi porque em alguma parte da história nos deu asas..... e é isso que temos de saber perceber.

Ter receio, medo do passado? Querer apagar os seus vestígios e as suas marcas? É puro engano!

O medo é a única prisão, a fuga o pior caminho.

A única verdadeira liberdade consiste em viver livre do medo, e a nossa melhor estrada é aquela que conhece os passos que já deu e avança sem medo para os que vai descobrindo.




14 comentários:

  1. Tem passado e passado. Acho tão importante quanto ao presente. O futuro deixo rolar.

    ResponderEliminar
  2. Lindo texto
    Existem passados que, quem dera que voltasse, Outros que nem queremos lembrar!

    Beijinhos, e uma excelente semana

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. O passado para mim sempre foi aprendizagem, por isso esquecer o que me fez sofrer, seria esquecer parte da minha história, a mesma que fez de mim o homem que hoje sou!
    www.algunsmomentosmeus.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  4. Cristina, a vida somos nós, goste-se do passado ou não…, porque ele é o presente tal como sobreviveu na nossa memória, o passado se for caso disso serve para evidenciar as nossas falhas e “dar-nos” indicações para o progresso do futuro, embora por vezes ao pensarmos no passado que existiu é quando estamos num estado mais melancólico.
    É a única realidade humana. Tudo o que é já foi!

    Boa semana Cristina, neste ano bissexto!:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Legionário, nem me lembres... não gosto de anos bissextos :))

      Um beijo e boa semana

      Eliminar
  5. Boa tarde, sem passado não existe o hoje, as boas memorias sim deve de ser guardadas e recordadas ao contrario das outras que deixaram marcas negativas, a vida faz de nós o que somos, motivo porque a vida é nossa.
    AG

    ResponderEliminar
  6. Olá Cris :))

    Mesmo ausente tenho estado atento ao teu sentir.
    Minha querida despe o passado! Ele serve para nos lembrar do que não queremos mais perto de nós.
    Tu a Mulher de decisões fortes, presa ao passado!!!
    Beijo doce

    ResponderEliminar
  7. Esses tropeções que demos na vida, e todos os demos, é que nos fazem crescer, aprender.

    ResponderEliminar
  8. Cristina
    O importante é o presente e o futuro. Do passado importa reter a experiência e a aprendizagem, para não cometermos os mesmos erros! Passado é isso mesmo, passado!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge :))

      Por vezes difícil, mas é isso mesmo passado...

      Um beijo

      Eliminar
  9. Cristina

    O passado deve ser visto como resultado de opções e escolhas nessa altura ....muitas coisas do passado fazem-nos pensar mais tarde...mas é assim....muitas vezes o passado retrata experiencias e vivencias que nos ajudam a decidir e escolher melhor no presente para um futuro melhor :)

    abraço forte

    ResponderEliminar
  10. E o passado marca sempre o futuro mas, interessante, interessante é fazer o presente a cada dia.
    Dias felizes.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.