7 de março de 2016

Love You for a Thousand Years!!!

Acredito na intemporalidade do amor, na viagem que as almas companheiras fazem através do véu dos tempos, só para se encontrarem. 

Há amores assim, que na sua grandeza, não se esgotam numa única vida, precisam voltar à terra de vez em quando para se completarem. 

Por essa razão existe muitas vezes no coração das pessoas, uma profunda sensação de vazio, porque mesmo que tenham alguém ao seu lado que as faça sentir bem, nunca se sentem completamente preenchidas, há sempre qualquer coisa que não as faz viver em pleno aquele sentimento.

Olham para o espelho e perguntam onde é que está o erro, onde é que se perderam nesta trajetória dos dias, porque é que não dá certo?

A resposta é simples: porque não é amor…é amizade, companheirismo, desejo, interesses vários…mas não é amor!!!

Amar alguém é aceitar essa pessoa como ela é, como os seus inúmeros defeitos, com as suas incomensuráveis falhas, com os ecos do seu egoísmo, com a voragem dos seus conflitos interiores…devastadores…

Amar alguém é continuar a escolher aquele ser humano, mesmo que ao nosso lado gravitem outras pessoas: podem ser mais bonitas, mais inteligentes, mais sensíveis, mais alegres, mais leves, podem amar-nos mais e até melhor, podem ser exatamente aquilo que queremos, aquilo com que sempre sonhámos, mas estão longe de ser o que desejamos porque o nosso coração continua a gritar aquele nome que muitas vezes nos faz sofrer, mas que é também o nome a quem se deve toda a felicidade desta viagem pela vida!!!

Esta vida…
a vida que vim viver… 
tem o teu nome timbrado na minha voz...
tem o teu nome gravado na minha pele...
sempre o teu nome esculpido no meu corpo!!!

E se este amor não for vivido agora, eu sei que um dia os nossos destinos se vão voltar a encontrar...
porque amo-te há mil anos… 
e amar-te-ei… por mil anos mais!!!



32 comentários:

  1. Cristina, ser amado por quem se ama é a melhor coisa do mundo. Mesmo quem nunca foi amado, mas ama, desconfia, com razão, que isto seja verdade. Só quem nunca amou — mesmo sendo ou tendo sido amado — é que desconfia, sem razão, que há coisas melhores no mundo do que ser amado por quem se ama.
    A mais leve impressão da certeza de ser amado é tão doce que a vida parece ter sido feita, toda ela desde o dia em que nascemos até àquele momento, toda a vida feita só para termos aquela impressão, tão doce, de se ser amado pela pessoa que tanto se ama.

    Uma boa e feliz semana, Cristina!:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo a 100% contigo... não há nada mais doce que ser amado por quem se ama!!!

      Um beijo e feliz semana

      Eliminar
  2. Bom dia
    Maravilhoso e interessante texto!!Adorei de verdade, ler. Obrigada.

    Beijo e um dia feliz.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Cristina que lindo amor e ser amada assim vale tudo! bjs, ótima semana,chica

    ResponderEliminar
  4. Cristina,amar é tudo isso que você descreveu e mais um pouco.
    O amor tem que durar a vida toda,não digo até que a morte os separe,pois acredito
    em outras vidas e reencontros.
    Lindo texto.
    Bjs e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida... e muito mais!!!
      Obrigada Carmen beijinhos

      Eliminar
  5. Contingências da vida levaram-se a desacreditar no amor...mas sim, este teu texto está bestialmente bem escrito a musica é linda!

    Um beijinho e boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não... continua a acreditar. Um dia sem dares conta uma borboleta poisa suavemente no teu ombro :))

      Um beijo e boa semana

      Eliminar
    2. Cristina,

      Sabes que para mim o amor não passa de mera utopia é tipo um enigma que não consigo decifrar . Não é agora, a meio da minha vida, que vou passar acreditar!

      Beijinho!

      Eliminar
  6. Lindo ...
    Mera ficção!?
    - Poderá ser ...
    Contudo, entendo que o que li, pode muito bem ser real.
    - Porque não?
    Quem não gostaria de viver um amor assim?
    Adorei o texto e a banda sonora.
    Como sempre ... a fazer bater a bota com a perdigota.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... eu não vivo de ficção ;))

      Um beijo Zé

      Eliminar
  7. Um belo texto que gostei de ler e à amores assim para todo o sempre e felizes aqueles que o têm.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
  8. Cristina... isso mesmo... as vidas passadas se repetem... até que todas as expiações sejam pagas e até que ambas as almas se elevem no plano superior....
    Uma verdadeira aula de doutrina espírita!!!!

    ResponderEliminar
  9. Essa é uma ideia muito bonita, romântica e porventura metafísica, mas do ponto de vista filosófico,
    não acredito em almas separadas do corpo a procurarem-se umas às outras. Mas do ponto de vista literário
    funciona muito bem. E respeito a crença em vidas passadas. Depois, não compreendo como uma pessoa "que muitas vezes nos faz sofrer", seja a pessoa "a quem se deve toda a felicidade desta viagem pela vida !!!" A mim soa-me mais a amor trágico, com final infeliz... ;-)
    Mas o texto é muito bonito e poético, a imagem muito boa, e a música muito bem escolhida.
    Parabéns, Cristina.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Laura, talvez nem sempre com final infeliz :))

      Beijinhos

      Eliminar
  10. Gostei muito!

    r: É mesmo *.* muito obrigada

    ResponderEliminar
  11. Cristina,
    Parece um lugar comum, mas julgo continuar a fazer sentido: amar e ser amados, em reciprocidade, é o que mais almejamos.
    Acreditar ou não no amor, quer na sua intemporalidade ou a prazo, pouca diferença faz. Quando ele vem, o amor, sente-se e vive-se. Não é propriamente por 'decisão', pelo acreditar, que a coisa se dá ou não. Embora como exercício literário seja assunto bom para se agarrar, como fizeste.
    Mas há mais: o amor não basta, o amor não suporta tudo. Não chega que se ame delirantemente uma pessoa.
    Há um conjunto de circunstâncias que podem impossibilitar a concretização desse amor. Há um mundo à volta que desafia e a que nem sempre esses protagonistas podem corresponder.
    Há amores que o foram em plenitude durante algum tempo, ou muito tempo, e que depois acabam. O amor pode acabar, Cristina, e isto nada tem que ver com a questão de deixar de acreditar no amor.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isabel, eu acho que o amor quando é amor... não acaba. Adormece no peito da gente!!!

      Um Beijo e grata pela tua visita

      Eliminar
  12. o amor é eterno... enquanto dura, e se dura, por vezes o amor de um minuto dura toda uma vida, incluindo nos sonhos...

    ResponderEliminar
  13. Muita gente ainda confunde o amor com a amizade e o medo de ficar só!
    Belo texto...como sempre!
    www.algunsmomentosmeus.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  14. Um texto maravilhoso onde você descreve o amor real, verdadeiro.Não importa o tempo, quanta vidas serão necessárias. mas um dia ele se realizará.
    Obrigado por sua visita ao meu blog.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  15. não achas bué tempo, Cristina - ponto de interrogação
    um texto ao teu modo e da forma como sentes e entendes o amor.

    agradeço a tua visita e votos.

    beijinhos - estou a escrever com a mão esquerda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Céu, gostei de te ver por aqui :)) as melhoras.

      Beijo

      Eliminar
  16. O amor é para ser vivido agora.
    Mas os poetas acrescentam-lhe mil anos!...

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  17. No dia seguinte ao aniversário da minha mulher, digo-lhe que acredito no amor eterno.
    Cada vez mais.

    ResponderEliminar
  18. vim ler-te
    desci em silêncio os três últimos degraus do final deste dia
    e vim escutar os recentes murmúrios
    gerados pelas inquietações que borbulham
    no fundo da tua alma

    fui contigo de palavra em palavra
    percorrendo cada frase como quem descobre novos caminhos num jardim
    e paramos quase lado a lado no final de algumas
    mais do que um vez voltei atrás
    refiz o caminho e reencontrei-me depois mais adiante
    tinhas um flor na mão e o teu olhar tão perto do seu perfume

    vi-te então descer com ternura e elegância
    todos os degraus do poema que canta um amor de mil anos
    que trazes gravado na pele e esculpido no corpo


    acho que ouvi a tua voz no vento

    ResponderEliminar
  19. Olá Cris,
    Sê sempre tu. Quando não souberes que caminho deves seguir, olha para dentro de ti, a vida é tua e tens sempre resposta para tudo. A vida ensina-nos, aprendemos sempre com a nossa, e não com a de mais ninguém.
    Nós os diferentes e especiais, continuaremos caminhando, uns dias doendo outros cantando, mas tentando ser, ás vezes conseguindo ser, sendo muito mais.
    Doce beijo

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.