6 de setembro de 2016

Trust me…I won’t let you fall…



Habitas uma fortaleza onde não deixas ninguém entrar, e da qual estranhamente não queres sair porque te dá a segurança de quem precisa da zona de conforto para poder respirar e sobreviver.

Uma vida cheia de desilusões provocadas por aqueles que mais amavas, o sofrimento causado pela partida de quem mais querias, o vazio deixado por quem jurara que jamais iria partir, transformou a doçura do teu coração em letal veneno, que usas e abusas para te alimentar tentando assim afastar os outros de ti. Os teus olhos, outrora brilhantes, projetam apenas o cinzento do fundo do mar e o teu coração que antes voava pelos teus sentidos, fechou-se numa caixa imaginária da qual perdeste a chave com medo de voltar a amar.

Eu surgi numa tarde, com a frescura de uma manhã de primavera e não consegui ficar indiferente à pessoa que surgia diante de mim. Apaixonei-me naquele segundo porque a minha alma há muito que se tinha apaixonado por ti. Deslumbrei-me com a descoberta do homem maravilhoso que és, cada dia ao teu lado era um presente abençoado.

Hoje, volvido algum tempo, se tivesse de escolher uma palavra para te definir, escolheria antítese. Nesse homem que és e por quem me apaixonei um dia, existe a dicotomia de um ser que gosta de mim mas não me quer amar, viveste anos e anos de amor despedaçados contra as rochas na praia, e olhas para mim como se eu fosse mais uma onda com o mesmo destino.

És a pessoa mais verdadeira, doce e meiga que cruzou no meu caminho, mas agora foges por atalhos de frieza sem deixar pegadas que eu possa seguir. Da mesma forma que um dia depositaste beijos com sabor a mel na minha boca, calas-me agora com amargos silêncios e esforçaste-te a todo o custo para deixar este amor sucumbir.

Os valores que reconheceste na minha alma e que apregoaste como basilares para a nossa vida em comum, esses valores que içaste como estandarte ao vento, apagas neste instante com uma borracha mágica, dizendo que não passou tudo de um engano.

Se é amor que sentes, dá-lhe vida, sê vida porque o meu amor por ti não se vai evaporar, se sentes que o céu está a desabar sobre ti e te deixa submerso em nuvens de abandono, tristeza e sofrimento, acredita que eu irei procurar-te nesses escombros e irei trazer-te novamente ao percurso cristalino que o universo traçou para ti…traçou para nós…

É fácil amar nos dias de sol, nos dias em que o vento sopra a nosso favor e a sua brisa nos impele a seguir de mãos dadas o nosso caminho. Fácil é viver uma relação marcada pela confiança do que se sente, pela verdade dos propósitos pela honestidade do que sentimos. Difícil é dizer “Olá” e receber um “Adeus”; difícil é querer proteger alguém que orgulhosamente não precisa de nós, difícil é querer abraçar alguém que não suporta o contacto da nossa pele, difícil é amar alguém que nos responde “Gosto de ti” quando lhe dizemos “Amo-te”; difícil é aceitar partir quando tudo o que queríamos era ficar.

Mas se o amor que floresce no nosso peito for verdadeiro, reconhecemos que todas as dificuldades existem para esculpir este diamante em bruto. Desconfio sempre daquilo que é fácil, daquilo que não dá luta, daquilo que não se conquista. Só queria que algures, nesta voragem do tempo, chegasses à mesma conclusão que eu.

Trust me…I won’t let you fall…



8 comentários:

  1. Excelente texto. Tal como a musica. Amei

    Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. As almas gémeas quase nunca se encontram, mas, quando se encontram, abraçam-se. Naqueles momentos em que alguém diz uma coisa, que nunca ouvimos, mas que reconhecemos não sei de onde. E em que mergulhamos sem querer, como se estivéssemos a visitar uma verdade que desconfiávamos existir, de onde desconfiamos ter vindo, mas aonde nunca tínhamos conseguido voltar.

    Boa semana, Cristina :))

    ResponderEliminar
  3. Um texto muito bom sobre os desacertos do amor. Sobre quem teve o "céu" na alma e está a deixá-lo escapar...
    Muito bom ouvir James Morrison.
    Uma boa semana, Cristina.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Olá:

    Pois é! Tudo fica mais sol quando há sol e luz.Quando vem a penumbra...

    Beijinho doce:)

    ResponderEliminar
  5. ... uma leitura clara, límpida e muito agradável...
    Um blog "fresco" ...
    Por vezes pode levar algum tempo....ficamos apegados ao pensamento do "e se"... mas diz o ditado "Quem espera sempre alcança"... e quiçá, quando menos esperares chegará á mesma conclusão do que Tu...

    Beijo n´oteudoceolhar *

    ResponderEliminar
  6. Apenas um dos textos mais incríveis que li ultimamente!...
    Magnifico trabalho, Cris!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Esqueci de dizer que adorei a musica... que ainda não conhecia!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.