26 de outubro de 2016

A VIDA!!!




A porta fecha... a chave desliza...  e de imediato o Rui Veloso senta-se no sofá do lado a dar voz ao magnífico poema de Carlos T, Nunca Me Esqueci de Ti.

O meu pensamento voa pelos acordes da melodia… 

Houve um tempo em que sabia de cor todos os seus movimentos, as cores que ele vestia, o perfume que usava, os livros que lhe adormeciam na cabeceira. 

Hoje desconheço as estradas por onde caminha, os terrenos que explora, os socalcos em que tropeça, as areias movediças em que se embrenha, a relva macia que lhe faz cócegas nos pés.

Onde o levam os seus passos?

Que outros passos caminham ao seu encontro para o receber?

A vida é feita de isto mesmo, não são estradas planas, alcatroados, lisas que se desenham com traço fino de pincel, com mesclas de cor de felicidade.

A vida faz-se de cruzamentos sombrios, com cores escuras e misteriosas.

Nunca sabemos onde nos levam os atalhos e caímos na ilusão constante que aquele é o caminho mais perto.

Ainda não chegámos a meio e já nos assalta o desejo de voltar atrás, mas o caminho inverso é proibido, é próprio dos fracos e daqueles que se recusam a aceitar um erro e crescer com ele, por isso, enchemos o peito de ar e avançamos, a medo, e com o desejo que melhores caminhos virão.

Quando estes chegam, abrimos as janelas da alma de par em par para que o ar viciado nos abandone e inundamos os pulmões de ar novo, vida nova e continuamos a andar.

Olha à sua volta, observa a estrada por onde desliza, sem trambolhões, sem escorregadelas, sem altos nem baixos.

Há muito que a vida desliza suavemente, aprendi a aceitar os pingos de chuva que me tocam o rosto com a mesma sabedoria com que me deixo tocar pelos raios de sol.




11 comentários:

  1. Música maravilhosa, que adoro!... Adoro as palavras do T... na voz do Rui Veloso... uma dupla perfeita... que já não ouço, há algum tempo...
    E um texto magnifico, inspirado na mesma...
    E a vida é mesmo isso... uma constante escolha de caminhos... que ora nos aproxima de uns... ora nos afasta de outros... saibamos nós conviver com as nossas escolhas... e saberemos que escolhemos o caminho certo...
    Já tinha saudades de passar por aqui! Estive alguns meses num local com pouca Net, pelo que não deu para visitar todos os blogues, conforme gostaria... sendo assim, vou espreitar as últimas novidades, por aqui...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Que lindo e que bom te ver novamente.Linda música e momento! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso e emocionante texto!! Amei ler-Adoro a musica.

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Um texto fantástico, parabéns!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  5. Olá:

    É tudo uma questão de escolhas.Mas por vezes é difícil...

    Beijinho doce

    ResponderEliminar
  6. Os trilhos da vida que nos levam nesta viagem que não sabemos onde nos conduz... Um maravilhoso texto.
    O Rui Veloso é excelente. Também gosto de o ouvir sentada na minha cadeira e deixar o pensamento voar com a música.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Oi Cristina que bom vir e ler tão belo texto ao som desta bela canção,
    que faz olhar para dentro e viajar neste mundo todo especial, tão nosso.
    Que tenha um lindo fim de semana amiga.
    Bjs de paz.

    ResponderEliminar
  8. A incerteza faz parte integrante da vida.
    Sem o Carlos T, não sei como seria o Rui Veloso. Mais uma incerteza...
    Boa semana, Cristina.
    beijo.

    ResponderEliminar
  9. Esqueci-me: o texto é excelente, gostei imenso.

    ResponderEliminar
  10. O bom da idade, que visto à distância pode parecer desinteresse ou distanciamento, é esta capacidade crescente para aceitar o que nos chega, é esta maneira de ver mais vagarosa como, sem darmos por isso, tivéssemos aprendido de repente a saborear o mundo e as coisas com o olhar…
    É este saber simples de aceitar a chuva, os desatinos do vento, a pressa dorida das nuvens nos dias de inverno e sentir alguma pena do frio desgalhado que passam as ervas pequenas, presas nas encostas dos montes.

    Se soubesse como, um dia haveria de abraçar mundo e agradecer-lhe por me ter recebido na sua casa.

    BB

    ResponderEliminar
  11. A vida em si é uma incógnita, nunca sabemos o que nos vem no futuro. Que deixemos que ele flui naturalmente, pois logo, logo será passado e da saudade.
    Linda demais a sua postagem
    Parabéns
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderEliminar

Obrigada pelo carinho da tua visita.